Disney vende serviço de streaming e mais de 630 canais de TV: Renunciando a todas as responsabilidades

A Disney vendeu oficialmente suas ações em um serviço de streaming e em mais de 630 canais de TV.

Não é segredo que a Disney tem enfrentado dificuldades no mundo do streaming. Embora possa ter apresentado o Disney+ com grande aclamação (e milhões de assinantes) em 2019, esses números passaram os anos seguintes caindo para níveis tão preocupantes que o CEO Bob Iger foi retirado da aposentadoria para conduzir a empresa de volta ao caminho certo .

Felizmente, parece ter valido a pena o esforço. No início deste mês, o relatório de lucros do segundo trimestre da Disney revelou que o Disney+ foi lucrativo pela primeira vez – dois trimestres antes do previsto.

A Disney tem trabalhado muito para tornar isso possível, implementando medidas como duas opções de assinatura (uma com anúncios e outra sem), restringindo o compartilhamento de senhas e integrando conteúdo do Hulu ao aplicativo.

Logotipo Disney+ com Homem de Ferro, Darth Vader, Elastigirl, Moana

Logotipo Disney+ com Homem de Ferro, Darth Vader, Elastigirl, Moana

Ela também se esforçou muito para abordar seus interesses de streaming além do Disney+. Não apenas o Hulu agora está disponível como um pacote com o Disney+, mas o ESPN+ em breve passará pelo mesmo tratamento.

Em dezembro, também decidiu eliminar seu equivalente Hulu do Star+ na América Latina. O serviço apresentava conteúdo mais “maduro” da Disney , como programas de TV e filmes lançados via Freeform, 20th Television Animation, Searchlight Television, 20th Century Studios e National Geographic, todos agora integrados ao Disney+ nesses países.

Uma mão segurando um telefone com o aplicativo Disney+ aberto

Uma mão segurando um telefone com o aplicativo Disney+ aberto

Isso se alinha com a forma como outros locais já acessaram o conteúdo do Star+. Em países como Reino Unido, Canadá, Austrália e Emirados Árabes Unidos, o público há muito tempo pode assistir a todos os filmes e programas de TV encontrados no Star+ – como Only Murders in the Building , Family Guy , Bob’s Burgers e Modern Family – por meio de uma seção do Disney+ chamada “Star”.

Esta semana, foi anunciado que a Disney também planeja abandonar outra plataforma de streaming em outras partes do mundo. Segundo a Bloomberg , a The Walt Disney Company concordou em vender a sua participação minoritária de 29,8% numa emissora de televisão por subscrição ao Grupo Tata.

O serviço de assinatura em questão é o Tata Play, que oferece mais de 630 canais de TV por meio de seus decodificadores e também oferece streaming por meio de seu aplicativo de mesmo nome.

A imagem mostra o logotipo do Tata Play. "TATA" é escrito em negrito, preto e letras maiúsculas, e "PLAY" é escrito em negrito, magenta e letras maiúsculas. O texto tem fundo branco, representando um serviço de streaming diversificado que oferece diversos canais de TV.

A imagem mostra o logotipo do Tata Play. “TATA” é escrito em negrito, preto e letras maiúsculas, e “PLAY” é escrito em negrito, magenta e letras maiúsculas. O texto tem fundo branco, representando um serviço de streaming diversificado que oferece diversos canais de TV.

Esta notícia não é totalmente inesperada. Em fevereiro, o Inside the Magic cobriu relatos de que a Disney estava tentando sair do mercado indiano vendendo sua participação na Tata Play para a Reliance Industries . Não muito tempo depois, a Disney vendeu suas operações indianas para a Reliance , formando a Star India Private Limited (na qual a Disney tem uma participação de 36,84%).

“A Índia é o mercado mais populoso do mundo e estamos entusiasmados com as oportunidades que esta joint venture proporcionará para criar valor a longo prazo para a empresa”, disse Iger na altura. “A Reliance tem um profundo conhecimento do mercado e do consumidor indiano e, juntos, criaremos uma das principais empresas de mídia do país, o que nos permitirá atender melhor os consumidores com um amplo portfólio de serviços digitais e conteúdo de entretenimento e esportes.”

Fonte: insidethemagic

Deixe seu comentário