😱10 filmes totalmente arruinados pelo Público de Teste

Mudanças baseadas no público de teste nem sempre são bem aceitas pelos fãs e podem afetar a visão original.

Resumo:

  • 😱 Audiências de teste podem ter um impacto significativo nos filmes, influenciando finais e decisões criativas.
  • 🎬 O feedback do público de teste ocasionalmente identifica problemas e leva a mudanças no filme.
  • 📽️ Mudanças baseadas no público de teste nem sempre são bem aceitas pelos fãs e podem afetar a visão original.
  • 🎥 Alguns filmes tiveram finais alterados devido ao feedback do público de teste, resultando em diferentes versões.
  • 🤷‍♂️ A influência das audiências de teste pode ser controversa e criar divisões entre os espectadores.

Audiências de teste são a ruína de muitos cinéfilos, e por boas razões. Em casos raros, um público-teste pode identificar possíveis problemas e resolver problemas que afetam um filme antes que ele esteja pronto para lançamento. No entanto, os avaliadores dos testes são pessoas inconstantes e, se não fosse pela sua interferência, inúmeros sucessos de bilheteira teriam retido um subtexto político subtil que lhes daria algo substancial a dizer por baixo das explosões e dos resultados impressionantes.

Além disso, o temido público-teste é famoso por abominar qualquer final que seja menos alegre do que o da Disney. Como resultado, incontáveis ​​​​filmes sombrios e desafiadores têm finais filmados às pressas e com tons equivocados, acrescentados a pedido do público de teste. É um milagre que Se7en não tenha terminado com um aperto de mão entre John Doe e seus captores enquanto Gwyneth Paltrow saltava da caixa com um sorriso.

Não é de admirar que os cineastas se queixem da influência intrometida dos produtores, demasiado assustados para deixarem a sua visão falar por si. Compilamos um resumo dos casos mais flagrantes de Arruinados Pelo Público de Teste, mostrando por que filmes terríveis desmoronaram e, em alguns casos, o quão perto seus favoritos estiveram de serem ainda melhores.

10. Abismo do Medo (The Descent)

Scott Pilgrim

Nenhum dos filmes desta lista saiu do encontro com o temido público de teste em melhor situação com a experiência, mas nenhum foi tão totalmente arruinado quanto a obra-prima de Rob Marshall. Felizmente, a visão sombria e cruel de Marshall chegou ilesa aos cinemas de sua terra natal, a Grã-Bretanha.

O conto violento e sombrio – literal e figurativamente – de uma viagem de espeleologia que se torna ultraviolenta após um encontro com criaturas subterrâneas sedentas de sangue, o filme foi uma meditação taciturna sobre a dor, bem como um banho de sangue implacavelmente tenso. É compreensível que o público-teste quisesse um pouco de alívio, mas isso não justifica a inexplicável decisão de recortar o final do filme.

Onde o diretor esperava que a heroína escapasse apenas para revelar que ela estava perdida em uma alucinação e nunca conseguiu sair viva, o lançamento americano parou logo após sua fuga. A mudança torna o filme um pouco menos cruel, mas também causa uma reviravolta no estômago, além de preparar o cenário para uma sequência lamentável.

09. A Morte lhe Cai Bem (Death Becomes Her)

😱10 filmes totalmente arruinados pelo Público de Teste 1

Agora reconhecido como um clássico cult do acampamento com um tom macabro e bobo, não muito diferente de um episódio de longa-metragem de Tales from the Crypt, A Morte lhe Cai Bem (Death Becomes Her) fracassou fortemente na época de seu lançamento. O terror / comédia / espécie de melodrama / sátira de Robert Zemeckis teve problemas para se conectar com o público que não conseguia encontrar uma base segura em seu tom inconstante.

No entanto, os primeiros testes de audiência identificaram um problema geral. Infelizmente, isso resultou na perda de uma das melhores qualidades do filme. Em meio ao duelo de divas de Meryl Streep e Goldie Hawn, Bruce Willis interpreta uma tarefa simples e estranhamente nebulosa em uma performance engraçada que mostra seu talento cômico subutilizado.

O final original o viu fugir com uma garçonete interpretada por Tracey Ullman, dando-nos um vislumbre de sua felicidade conjugal anos depois, antes que seus interesses amorosos, agora em desintegração, conseguissem localizá-lo. Em uma rara reviravolta, o público de teste realmente achou que esse final era muito feliz, resultando no final que obtivemos, que corta para seu funeral décadas depois, com os restos de ambos os ex-amantes presentes.

 

08. Eu Sou a Lenda (I Am Legend)

Scott Pilgrim

Em 2007, Will Smith estava ansioso para se tornar um novo tipo de herói de ação. Jason Bourne e Daniel Craig’s Bond garantiram que frases curtas e engraçadas estivessem fora de questão e que a câmera trêmula e o realismo corajoso fossem o novo normal.

Assim nasceu Eu Sou a Lenda (I Am Legend). Uma adaptação sombria e séria de Richard Mathewson, o filme contou a história de um sobrevivente solitário fugindo de monstros desumanos vorazes na Nova York pós-apocalíptica. Só que isso não é tudo: o filme deveria terminar com uma reviravolta politicamente carregada, já que os monstros irreconhecíveis se revelaram seres pensantes e carinhosos que Smith aterrorizou involuntariamente durante anos.

Vivendo com medo dele, os ‘monstros’, entre aspas, na verdade evitaram o único sobrevivente até que ele tomou um deles como refém. O título vem do status de Smith entre essas criaturas, que o veem como um monstro mítico determinado a matá-las. É um final pensativo, trágico e ressonante, então não é surpresa que o público de teste quisesse que ele fosse substituído por um auto-sacrifício brega enquanto Smith explode a si mesmo e aos monstros sem nunca descobrir sua humanidade. Coisas estelares.

 

07. Madrugada dos Mortos (Dawn Of The Dead)

Scott Pilgrim

Tudo bem, então esperar dois sucessos sombrios consecutivos dos finais de George A Romero pode ser um pouco injusto. Afinal, o antecessor seminal de Madrugada dos Mortos, A Noite dos Mortos-Vivos (Night of the Living Dead), elevou o padrão para finais “politicamente ressonantes, mas inacreditavelmente brutais” ao matar o único membro sobrevivente do elenco quando ele foi confundido com um zumbi por seu companheiro.

Com uma nova década veio uma nova horda cambaleante, desta vez invadindo o shopping alegórico local e sitiando seus habitantes cada vez menores. No clímax, os últimos sobreviventes deveriam originalmente abandonar suas tentativas de embarcar em um helicóptero e se matar, com um deles pulando em suas hélices. Não foi nada alegre, mas o final se encaixou na visão intransigente do filme anterior.

No entanto, o público de teste reagiu como costuma fazer a qualquer coisa sombria e exigindo refilmagens. Como resultado, o filme termina com uma construção lenta e sombria que mostra a perda de esperança do grupo – depois gira para uma corrida alegre e bem-sucedida até o helicóptero, cortesia de nossos personagens principais.

Passaria mais uma década e meia até que os telespectadores finalmente recebessem a decapitação do helicóptero, o final original de Dawn prometido, cortesia de O Último Boy Scout (The Last Boy Scout).

06. Blade Runner

Scott Pilgrim

Pobre Blade Runner, os executivos alguma vez se intrometeram mais do que na obra-prima de Ridley Scott? Recém-saído do sucesso do terror Alien, Scott teve uma visão do cyberpunk noir que redefiniu a frase “à frente de seu tempo”.

Adaptar a escrita alucinatória de Philip K Dick não foi tarefa fácil, e o filme conseguiu, apesar de todas as probabilidades, capturar a ambiguidade desorientadora do romance original. Isto é, até que os produtores conseguissem. Preocupados com a acessibilidade, uma nova narração foi acrescentada ao filme finalizado, com o objetivo de esclarecer mitos importantes e, em vez disso, confundir ainda mais a trama.

Um final absurdo e alegre foi marcado (com sobras de filmagens de O Iluminado, nada menos!) E qualquer incerteza ousada foi deixada resolvida, resultando em um filme finalizado que conseguiu ser ao mesmo tempo excessivamente explicado e complicado. As mudanças foram em vão, já que o filme fracassou nas bilheterias, mas felizmente pudemos ver a visão de Scott por meio de uma versão do diretor que restabeleceu suas escolhas criativas. E uma sequência divisiva, embora quanto menos entrarmos nisso, melhor…

05. Uma Noite Alucinante (Army Of Darkness)

Scott Pilgrim

Ok, então este é um barril de pólvora entre os fãs da franquia Evil Dead de Sam Raimi, que realmente deveriam estar discutindo se o segundo filme superior é tecnicamente um remake do primeiro (a propósito, não é), ou se A reinicialização de Fede Alvarez em 2013 foi uma adição valiosa ao cânone (foi).

Mas o final de Army of Darkness é outro tópico que causa divisão entre os fãs, com alguns acreditando que o desfecho original foi uma continuação apropriadamente engraçada dos tormentos intermináveis ​​de Ash e alguns dizendo que já era hora de nosso herói fazer uma pausa através do filme feliz aprovado pelo produtor. final.

O final original de Raimi, visto pelo público internacional, faz Ash beber tanta poção para dormir que ele fica desmaiado não apenas até sua época natal, nos anos oitenta, mas em vez disso, para um futuro pós-apocalíptico.

O público de teste recusou a piada sombria e, em vez disso, optou por uma versão alterada, onde Ash finalmente recebe um momento de paz, mas a trilogia anterior sempre foi sobre colocar o herói em uma situação difícil, e é difícil argumentar que o final original não se encaixa. esse estilo.

04. Extermínio (28 Days Later)

Scott Pilgrim

O propulsivo filme de zumbi de Danny Boyle foi um tiro no braço em 2002, revivendo o tão difamado subgênero com um tom obscuro intransigente e novas ameaças aterrorizantes. Duas palavras: zumbis rápidos.

Embora todos, de Zack Snyder aos criadores de Zombieland, tenham uma dívida com o roteirista Alex Garland por esse toque, nem todas as decisões do escriba de Ex Machina chegaram à tela. Graças ao público-teste, fomos poupados de um final brilhante e cruel, muito mais alinhado com a atmosfera brutal do filme.

Depois de sua vingança sangrenta, massacrando soldados vilões para salvar os únicos outros sobreviventes do filme, nosso herói Jim foi originalmente criado para sucumbir aos ferimentos, morrendo em uma cama de hospital. Essa imagem deixaria o filme girando em círculos completos, jogando o protagonista de volta ao ponto de partida, antes de aprender qualquer coisa sobre a praga que assola o mundo lá fora.

É claro que o público de teste prefere seu terror com um final apropriado para a Disney, então fomos agraciados com um corte que o mostrava vivo e bem nas terras altas, aguardando o resgate. Esperançosamente de um grupo de soldados mais gentil do que da última vez, isto é…?

 

03. Scott Pilgrim contra o Mundo (Scott Pilgrim Vs The World)

Scott Pilgrim

Edgar Wright teve suas dificuldades com os estúdios ao longo dos anos, com o diretor optando por adicionar cenas extras a Shaun dos Mortos depois que as exibições iniciais revelaram falta de ação no desfecho. No entanto, a maior mudança estrutural que ele fez como resultado das reações do público-teste veio na forma do final de Scott Pilgrim.

Originalmente, a ambiciosa adaptação da história em quadrinhos pretendia permanecer fiel ao seu material original, deixando o protagonista titular morando com Knives Chau (Ellen Wong, em um excelente papel de estreia), em vez de terminar com seu esperado interesse amoroso, Ramona Flowers. É uma subversão inteligente e madura, sinalizando que Scott nunca teve certeza do que queria e cresceu ao longo do filme.

No entanto, o público de teste não se importou com uma mudança tão dramática nas expectativas e, como resultado, o filme mostra Ramona e Scott acabando juntos, afinal. Apesar disso, o filme fracassou e, depois de lutar e não conseguir encontrar um lar no MCU, levaria mais sete anos até que Wright retornasse às nossas telas com Baby Driver, uma destilação cinética de seu estilo característico.

02. Halloween 6: A Última Vingança (Halloween: The Curse Of Michael Myers)

Scott Pilgrim

Pobre Michael Myers. Entre Rob Zombie, um apresentador de aspirantes a filmes B de John Carpenter, e agora David Gordon Green, seu legado foi pior do que os adolescentes que ele joga pelas janelas.

De todos os cozinheiros que estragaram o caldo originalmente perfeito de Carpenter, porém, um nome se destaca. Moustapha Akkad é o produtor que decidiu que o que o Halloween precisava era de conhecimento profundo, não de sustos baratos. E cara, a quinta parcela da franquia prova que ele está errado.

O filme poderia ter mergulhado nos sombrios mitos celtas que impulsionam a maldade do personagem, uma cultura raramente explorada na tela até hoje. No entanto, o público de teste odiava qualquer coisa mais complexa do que um simples hack-and-slash, então nasceu o novo corte tão difamado.

As refilmagens geraram o pior filme da franquia de longa duração, principalmente devido à súbita e inexplicável ausência do favorito dos fãs, Dr. Loomis, cujo ator Donald Pleasance infelizmente morreu durante a pós-produção. A visão gótica de Akkad para o filme já viu a luz do dia, mas mesmo o corte mais ambicioso não consegue desviar a atenção do fracasso desesperador a que esse filme foi reduzido.

01. A Pequena Loja dos Horrores (Little Shop Of Horrors)

Scott Pilgrim

O final original da comédia de terror de Frank Oz de 1986 se aproximou do desfecho niilista, mas terrivelmente engraçado, do material original de 1960 produzido por Roger Corman. Terminando não apenas com Audrey 2 matando o elenco, mas seguindo em frente para destruir a cidade de Nova York e possivelmente o mundo, é um encerramento que passa de um toque sombrio a chocantemente brutal tão rápido que é difícil acreditar no que você está vendo.

É também um final que se adapta ao tom estranho e tragicômico do filme anterior. O que é menos adequado é o clímax revisado pelo público pós-teste, em que o vilão é derrotado, os protagonistas vivem felizes para sempre e o tom perturbador do filme é jogado pela janela.

Olha, nós entendemos – um filme de planta monstro sempre seria difícil de vender. Mas isso é mais uma razão para se manter firme e manter o final original distorcido em toda a sua glória espetacular e mesquinha. Uma enxurrada de FX de grande orçamento, a incrível sequência de 23 minutos agora pode ser vista online, mas durante anos permaneceu objeto de especulação dos fãs.

Confie em nós – valeu a pena esperar.

Fonte: Whatculture

Deixe seu comentário