Documentário da ‘Rainha Cleópatra’ da Netflix terá uma rainha de origem africana e não Grega contradizendo a própria história

O novo anúncio do programa de TV Harry Potter não foi bem recebido pelo público, e isso não vai parar desde que tomou sua pior decisão.

Não mais contente em substituir o material original de várias histórias em quadrinhos , videogames , romances e animes , a Netflix agora voltou suas atenções de política de identidade para o mundo real, já que o serviço de streaming anunciou que sua próxima série de documentário, Queen Cleopatra , não apenas competirá, mas também terá sua cota de troca racial.

Cleópatra (Adele James) governa o Reino Ptolemaico em Rainha Cleópatra (2023), Netflix

Cleópatra (Adele James) governa o Reino Ptolemaico em Rainha Cleópatra (2023), Netflix

Estrelando Adele James (BBC’s Casualty) como a própria Rainha do Nilo, a segunda entrada longa de quatro episódios na série de documentários Netflix da produtora executiva Jada Pinkett-Smith, African Queen (o primeiro dos quais focado no reinado da Rainha Nzgina sobre a área agora conhecida como Angola) se concentrará em “Rainha Cleópatra, a mulher mais famosa, poderosa e incompreendida do mundo – uma rainha ousada cuja beleza e romances vieram a ofuscar seu verdadeiro trunfo: seu intelecto”.

“A herança de Cleópatra tem sido objeto de muitos debates acadêmicos, muitas vezes ignorados por Hollywood”, continua a sinopse oficial do streamer. “Agora nossa série reavalia essa parte fascinante de sua história.”

“Não costumamos ver ou ouvir histórias sobre rainhas negras, e isso foi muito importante para mim, assim como para minha filha, e apenas para minha comunidade poder conhecer essas histórias porque existem muitas!” disse Pinkett-Smith em um comunicado fornecido à mídia.

“Cleópatra é uma rainha que muitos conhecem, mas não em sua verdade”, acrescentou. “Ela foi exibida como abertamente sexual, excessiva e corrupta, mas ela era uma estrategista, um intelecto, uma força dominante da natureza, que lutou para proteger seu reino… e sua herança é altamente debatida. Esta temporada irá mergulhar mais fundo em sua história e reavaliar esta parte fascinante de sua história.”

Cleópatra (Adele James) se fortalece em Rainha Cleópatra (2023), Netflix

Cleópatra (Adele James) se fortalece em Rainha Cleópatra (2023), Netflix

De acordo com o trailer da série acima, parece que essa ‘reavaliação’ – leia-se: reescrita – da história será baseada menos em registros históricos factuais e objetivos e mais nas intuições e sentimentos pessoais de seus supostos especialistas no assunto.

“É possível que ela fosse egípcia”, diz uma mulher, resumindo o cerne do argumento do documentário.

Ela é então seguida por um homem da região norte-africana (como sua identidade não é especificada no material promocional do documentário, atualmente não se sabe exatamente de que país ele é) que professa: “Imagino que ela tenha cabelos cacheados como eu. e cor de pele semelhante”.

Cleópatra (Adele James) atendida por suas donzelas em Queen Cleopatra (2023), Netflix

Cleópatra (Adele James) atendida por suas donzelas em Queen Cleopatra (2023), Netflix

Por fim, o trailer encerra a provocação de seus convidados com a declaração de uma mulher negra mais velha: “Lembro-me de minha avó dizendo para mim: ‘Não me importo com o que dizem na escola, Cleópatra era negra’”.

Notavelmente, todas as citações destacadas pela Netflix a serviço de promover a ideia de que Cleópatra era negra não apontam para nenhuma evidência arqueológica específica, mas são todas baseadas no apelo às emoções daqueles obcecados com o conceito equivocado de ‘representação’.

Documentário da 'Rainha Cleópatra' da Netflix terá uma rainha de origem africana e não Grega contradizendo a própria história 1

Isso é provável porque, na realidade, todas essas evidências apontam para o último governante do reino ptolomaico do Egito não ter sido egípcio ou mesmo africano, mas sim grego macedônio.

Além disso, Cleópatra não apenas descende diretamente do próprio fundador da Dinastia Ptoelmaica, o grego macdeoniano Ptolomeu I Soter, mas ela também falava grego coinê como sua língua nativa.

E embora muito poucas representações precisas de Cleópatra tenham sobrevivido ao teste do tempo, um retrato póstumo da rainha encontrado nas ruínas da antiga cidade romana de Herculano a retrata com pele clara e cabelos ruivos.

Mas que foi Cleópatra segundo os documentos e livros

Cleópatra é o nome sete rainhas do Egito. A mais conhecida foi Cleópatra VII (Alexandria 69 aC a 30 aC -Alexandria), rainha de 51-30 aC, durante a conquista romana.

Filha de Ptolomeu XII, Cleópatra foi a primeira rainha grega a falar egípcio, adotar certas crenças faraônicas e queria devolver ao Egito seu antigo esplendor.

Subiu ao trono aos 18 anos e enfrentou uma guerra contra o irmão.

Posteriormente, foi amante de Júlio César, que lhe garantiu o trono do Egito. Em seguida, se relacionou com Marco Antônio. De ambos teve filhos que estavam destinados a serem soberanos.

Com a derrota de Marco Antônio pelas tropas de Otávio Augusto, o primeiro comete suicídio. Para não se tornar um brinquedo nas mãos do novo conquistador, Cleópatra também se mata, deixando-se morder por uma serpente.

Um retrato pintado póstumo de Cleópatra VII do Egito ptolomaico de Herculano romano, feito durante o século I dC, ou seja, antes da destruição de Herculano pela erupção vulcânica do Monte Vesúvio por Á. M. Felicísimo via Creative Commons 2.0 License

Um retrato pintado póstumo de Cleópatra VII do Egito ptolomaico de Herculano romano, feito durante o século I dC, ou seja, antes da destruição de Herculano pela erupção vulcânica do Monte Vesúvio por Á. M. Felicísimo via Creative Commons 2.0 License

“Sobre a testa, um grande tufo de cabelo é pintado, um pouco como o  nodus encontrado em retratos de mulheres do final do século I aC, e talvez originalmente nos retratos de mármore de Cleópatra de Berlim… e do Vaticano…” Susan Walker e Peter Higgs argumentaram a favor da precisão do retrato em seu livro Cleopatra of Egypt: From History to Myth.

“O olho grande (uma característica ptolomaica tardia), nariz comprido e lábios carnudos também são comparáveis ​​às características de Cleópatra, como visto em seus retratos de mármore e algumas de suas moedas”, afirmaram. “O efeito é um pouco mais idealizado do que, por exemplo, os retratos de moedas de Antioquia, mas há semelhanças.”

Um Homem de Ferro que viaja no tempo conhece Cleópatra em Tales of Suspense Vol. 1 #44 “Homem de Ferro enfrenta a ameaça do Faraó Louco” (1963), Marvel Comics. Letras de Stan Lee e Robert Bernstein, arte de Don Heck e Sam Rosen.

Um Homem de Ferro que viaja no tempo conhece Cleópatra em Tales of Suspense Vol. 1 #44 “Homem de Ferro enfrenta a ameaça do Faraó Louco” (1963), Marvel Comics. Letras de Stan Lee e Robert Bernstein, arte de Don Heck e Sam Rosen.

A rainha Cleópatra irá causar mais confusão do que quando encontrou o Homem de Ferro. Espero que eles não se esqueçam de documentar esse momento ímpar do  Homem de Ferro na história.  A rainha Cleópatra chegará na Netflix em 10 de maio.

 

Fonte: Boundingintocomics

Deixe seu comentário