[Crítica] AD Astra – Rumo às estrelas

0
[Ad Astra 2019] Roy McBride

Ad Astra – Rumo às estrelas é uma mistura de drama com ficção cientifica que se passa em um futuro não muito distante do nosso.

[Ad Astra 2019] Roy McBride
[Ad Astra 2019] Roy McBride
Como protagonista do filme, temos Roy McBride (Brad Pitt), um engenheiro espacial, filho de uma lenda, que carrega consigo os traumas do abandono do pai. Tal abandono moldou sua personalidade, em alguns pontos, o tornando excelente para o trabalho, mas ao mesmo tempo com dificuldades em relacionamentos na vida pessoal.

 

Eventos recentes, levam a acreditar que o pai, Clifford McBride (Tommy Lee Jones), um cientista espacial que embarcou em uma missão para localizar vida inteligente fora do sistema solar e se perdeu a mais de 20 anos próximo a netuno, ainda pode estar vivo. Roy McBride é convocado para a missão de encontrar o pai.

[Ad Astra 2019] Uma corrida pelo solo lunar
[Ad Astra 2019] Uma corrida pelo solo lunar
Para quem espera ver um filme de ficção cientifica, com várias cenas de ação e sem muita profundidade psicologia, pode ficar um pouco decepcionado e até achar o filme bem arrastado, já que o filme é quase um monologo com vários diálogos internos, muitos desdes, com reflexões sobre a vida e sobre a relação de Roy com seu pai. O que salva de não ser uma decepção completa nestes casos, é ambientação no espaço, com imagens de tirar o folego de tão bonitas.

 

Toda a percepção da realidade e eventos é baseada na visão do protagonista, portanto, acompanhamos a jornada de Roy McBride para encontrar o pai e junto dele, vamos também descobrindo a natureza dos fatos e a realidade por traz da história de seu pai. Seria seu pai realmente uma lenda e um herói nacional?

Avisando: A partir daqui, tem spoilers

O filme também faz uma critica a busca desenfreada do ser humano pela exploração dos recursos naturais, o consumismo, a poluição e a necessidade de povoar outros territórios além do planeta terra. A Lua e marte são mostrados como territórios já povoados.

Viajar para a lua se tornou algo mais acessível, inclusive com voos comerciais. A exploração dos recursos naturais do solo lunar está a todo vapor. A lua é mostrada como território sem nacionalidade, com zonas não seguras e repletas de piratas lunares, além de uma densa população, com direito a shopping (tem subway na lua, dá pra comer aquele sanduíche de frango teriyaki).

[Ad Astra 2019] A jornada de Roy McBride
[Ad Astra 2019] A jornada de Roy McBride
A medida que Roy vai seguindo sua jornada, também vai diminuindo a presença de outros humanos, mas ainda é possível encontrar muitos satélites com orbitas irregulares (lixo espacial), deixando claro que os humanos estão poluindo não somente o planeta, mas todo o sistema solar.

 

Em resumo, o filme conta a estória da jornada de reencontro de um filho com o pai que o abandonou, usando como pano de fundo viagens interplanetárias, mostrando de forma concreta a distancia entre os dois. De uma lado temos o pai, que a vida toda preferiu dedicar-se a sua pesquisa, abandonou a própria família e é visto como uma lenda pelos seus feitos e do outro o filho que mau conhece o próprio pai, mas que tenta seguir seus passos e faz escolhas que acredita ser as que o pai aprovaria, buscando assim alguma conexão com o pai.

Nele podemos acompanhar toda angustia, expectativa e duvidas que protagonista sente em relação ao que ele pode encontrar ao fim de sua jornada e como as vezes essa jornada pode ser solitária, mas ao mesmo tempo de reflexão e de auto conhecimento.

Deixe um comentário

avatar
  Subscribe  
Notify of