As10 melhores histórias da DC Comics de todos os tempos de acordo com os leitores

0
As10 melhores histórias da DC Comics de todos os tempos
As10 melhores histórias da DC Comics de todos os tempos

Qual é a melhor história de quadrinhos da DC de todos os tempos? É uma pergunta que sempre acende o debate e será útil por algum tempo. Por exemplo, como você pode escolher entre Kingdom Come ou The Dark Knight Returns? Onde termina a Crise nas Infinitas Terras? Bem, considerando que estas são perguntas para as quais todos os fãs da DC terão uma resposta, pensamos em pedir aos nossos leitores para ajudar a destacar as melhores histórias da DC já impressas.

Você fez, e à sua maneira, por isso é justo mostrarmos as histórias pelas quais todos votaram. Se você quiser acompanhar algumas histórias clássicas em preparação para filmes da DCU, como The Batman, ou apenas revisitar alguns clássicos, sem mais delongas, aqui estão as dez melhores histórias em quadrinhos da DC de todos os tempos, votadas pelos leitores da Newsarama.

10. O que aconteceu com o homem do amanhã? – Whatever Happened To The Man Of Tomorrow?

10. O que aconteceu com o homem do amanhã? - Whatever Happened To The Man Of Tomorrow?
10. O que aconteceu com o homem do amanhã? – Whatever Happened To The Man Of Tomorrow? – (Image credit: DC Comics)

Como você elogia a história de um personagem em duas edições curtas? Essa é a pergunta que Julius Schwartz procurou responder e contratou Alan Moore para fazê-lo.

Com os eventos de ‘Crise nas Infinitas Terras’ efetivamente terminando a Idade da Prata, Schwartz imaginou que suas duas últimas edições da edição da linha Superman seriam as últimas da história da humanidade. Em duas edições curtas, Alan Moore criou um mapa da história do Super-Homem que incluía seus vilões mais temíveis e seus amigos mais próximos.

E, finalmente, ele dá ao homem que tem tudo a única coisa que lhe faltava: um final perfeito. Parte do motivo pelo qual esse tributo é perfeito para o Homem de Aço é que o lendário artista Curt Swan lidou com a arte. Ele desenhava o Super-Homem desde 1948 e das cartas de abertura “Esta é uma história imaginária” até a final, conhecendo a piscadela de “Jordan Elliott”, essa parece uma história do Super-Homem.

Ele honra o legado de um dos maiores heróis do mundo, ao mesmo tempo em que aperta o nariz com as mudanças de continuidade que devem ocorrer.

9. O retorno de Barry Allen – The Return Of Barry Allen

9. O retorno de Barry Allen - The Return Of Barry Allen - (Crédito da imagem: DC Comics)
9. O retorno de Barry Allen – The Return Of Barry Allen – (Crédito da imagem: DC Comics)

Na sequência de ‘Crisis On Infinite Earths’, Wally West se tornou o novo Flash, passando de companheiro para super-herói com a morte de seu mentor Barry Allen. A transição de Wally não foi sem dores de crescimento, no entanto. Ele falhou em se interessar pelos leitores até Mark Waid começar sua corrida histórica no Flash, dando a Wally a profundidade que seu antecessor muitas vezes carecia.

Embora seja difícil argumentar que houve uma pausa na série original de Flash de Waid, ‘The Return of Barry Allen’ é provavelmente o seu ápice. Nesta história, Wally é confrontado com o retorno do falecido Barry Allen – uma história que, sob pena de outro escritor, poderia ter sido sincera, mas para Waid, foi um exame da ascensão de Wally ao verdadeiro heroísmo e o momento que solidificou ele como o único Flash verdadeiro.

Ao longo de seis edições, Wally e Barry lutam para compartilhar o manto do Flash até que a verdade do retorno seja revelada. Escrito em um estilo de conversação que lembra Wally recontando a história a um amigo, é tanto uma conversa entre Waid e leitores sobre legado e heroísmo quanto entre os personagens da página.

‘O Retorno de Barry Allen’ é uma espécie de pioneiro anônimo da história em quadrinhos moderna, misturando uma perspectiva comum com uma narração moderna e uma compreensão de ideais clássicos que o tornam um dos melhores exemplos da narrativa de super-heróis do final do século XX e um dos as melhores histórias da DC de todos os tempos.

8. O Contrato Judas – The Judas Contract

8. O Contrato Judas - The Judas Contract - (Crédito da imagem: DC Comics)
8. O Contrato Judas – The Judas Contract – (Crédito da imagem: DC Comics)

Quando ‘The Judas Contract’ começou em New Teen Titans # 42, a surpresa não foi a aparente reviravolta de Terra. Marv Wolfman e George Perez haviam passado quase um ano apresentando Terra aos Titãs e fazendo-a parte do grupo e depois revelaram aos leitores seus terríveis meses secretos antes que os Titãs aprendessem sua verdadeira natureza.O choque dessa questão foi o quão total e completamente ela e Deathstroke possuíam os Titãs porque ela conhecia todos os segredos deles naquele momento. No auge de suas energias criativas, as histórias de Wolfman e Perez eram sobre os indivíduos únicos que compunham os Titãs. Todos os personagens são tão fortes que a introdução de um curinga como Terra no time foi uma ótima maneira de agitar o time.

‘The Judas Contract’ também se concentra na história de Dick Grayson versus Deathstroke, enquanto os dois guerreiros manobram seus aliados para combater as forças do outro, culminando na transição de Robin para sua nova persona super-heroica como Nightwing. Quando Grayson se afasta da sombra de seu mentor, essa história prova que os Titãs são muito mais do que apenas um time de juniores da Liga da Justiça.

7. Guerra do Corpo Sinestro – Sinestro Corps War

7. Guerra do Corpo Sinestro - Sinestro Corps War - (Crédito da imagem: DC Comics)
7. Guerra do Corpo Sinestro – Sinestro Corps War – (Crédito da imagem: DC Comics)

Durante anos, o Green Lantern Corps permaneceu como o melhor e mais brilhante do universo, defendendo a galáxia através do uso da arma mais poderosa do cosmos – seus anéis de poder esmeralda. Mas com esse épico de ópera espacial repleto de ação, Geoff Johns e Dave Gibbons, juntamente com os artistas da lista A, Ivan Reis, Patrick Gleason e Ethan Van Sciver, mostraram que Hal Jordan e companhia não eram os únicos ringlers da cidade.

Com a estréia do Sinestro Corps, a Sinestro Corps War foi um momento crucial para os Lanternas Verdes, tanto como organização quanto como franquia, com uma fileira de assassinos de supervilões icônicos da DC lançados contra a equipe, incluindo Parallax, Cyborg Superman, Superboy-Prime e o próprio Anti-Monitor.

No entanto, este livro também teve momentos-chave dos Lanternas Verdes chegando a esse desafio sem precedentes, com batidas como John Stewart trocando tiros de atiradores interestelares com a criatura eremita conhecida como Bedovian, os Guardiões revogando seu edito antigo de matar, ou a promoção de Daxamite Green Lantern Sodam Yat como o novo e todo-poderoso íon ao enfrentar o imparável Kryptoniano Superboy-Prime.

Culminando com algumas batalhas enormes e resgates pessoais, ‘Sinestro Corps War’ também levou a uma maior expansão do universo dos Lanternas Verdes como um todo, sugerindo o surgimento de mais cinco corpos com base nas cores do espectro emocional. Essa explosão de criatividade e ação não apenas solidificou isso como uma das maiores histórias do Lanterna Verde, mas também uma das maiores histórias da DC na história.

6. O Retorno do Cavaleiro Das Trevas – The Dark Knight Returns

6. O Retorno do Cavaleiro Das Trevas - The Dark Knight Returns - (Crédito da imagem: DC Comics)
6. O Retorno do Cavaleiro Das Trevas – The Dark Knight Returns – (Crédito da imagem: DC Comics)

Mais de 30 anos após seu lançamento original em quatro partes, Frank Miller, Klaus Janson e ‘The Dark Knight Returns’ de Lynn Varley são inegavelmente uma das mais poderosas histórias de Batman já contadas. Um conto violento encenou um cenário de paranóia da Guerra Fria e pesadelos de uma revolta adolescente, ‘The Dark Knight Returns’ segue Batman quando ele sai da aposentadoria para fazer guerra contra uma cidade de Gotham que não tolerará mais um homem que aceita a lei em suas próprias mãos.

Bruce Wayne, de Miller, é um cowboy de cabelos prateados que caiu na distopia dos anos 80, um saco corpulento de ossos doloridos que se vê fisicamente superado por uma nova geração de gangues cruéis e pelo retorno de seu arqui-inimigo, o Coringa. Finalmente, quando a guerra nuclear irrompe entre os EUA e a União Soviética, cabe ao Superman derrubar um Batman determinado a limpar as ruas de Gotham.

Embora escrito e ilustrado quando Miller tinha apenas 29 anos, ‘O Cavaleiro das Trevas retorna’ parece o trabalho de um homem muito mais velho. É uma visão satírica do cenário da mídia em evolução na década de 1980, quando a TV se tornou mais voltada para a juventude e até as notícias começaram a se voltar para o entretenimento, como exemplificado pelas muitas cabeças falantes que narram os eventos do livro de maneira a beneficiar suas próprias agendas distorcidas. .

Embora o tempo e as incontáveis ​​questões de um Batman de arestas mais duras tenham suavizado o impacto original da abordagem pessimista de Frank Miller sobre o maior detetive do mundo, seu lugar na história dos quadrinhos não pode ser subestimado. Por esse motivo, ‘O Retorno do Cavaleiro das Trevas’ merece um lugar na biblioteca de todos os leitores.

5. A Nova Fronteira – The New Frontier

5. A Nova Fronteira - The New Frontier - (Crédito da imagem: DC Comics)
5. A Nova Fronteira – The New Frontier – (Crédito da imagem: DC Comics)

Em uma era moderna de cinismo nos quadrinhos, o falecido Darwyn Cooke foi capaz de mostrar o potencial otimista latente do Universo DC no agora clássico ‘New Frontier’. A história é tudo o que Watchmen e DKR não são, com os personagens famosos da DC exibindo suas melhores características e inspirando o mundo e os leitores a lutarem por um amanhã melhor no início da era nuclear. Cooke captura uma América fresca da Segunda Guerra Mundial e antes de uma mudança cultural em que a única maneira de se respeitar os quadrinhos é se eles foram arrastados pela sarjeta primeiro.

A New Frontier não se deixa abalar pelo amor ao super-herói como um ícone do que a humanidade poderia se esforçar. Muitas vezes, personagens mal servidos como Martian Manhunter, Wonder Woman e Adam Strange recebem suas melhores interpretações aqui. Cooke chega ao cerne desses personagens simultaneamente e, com isso, os reinventa ao mesmo tempo.

A arte de Cooke é um casamento perfeito de influências da história da DC – de Jack Kirby ao desenho animado Fleischer Superman e Batman: The Animated Series. Até o estilo artístico do criador traz o melhor da Era de Prata da DC, com cada herói sorrindo ao nascer do sol em estilo art déco do pós-guerra. A magnum opus de Darwyn Cooke, ‘New Frontier’ é um retrato do melhor lado da DC Comics e incorpora toda a coragem e esperança que esses personagens representam em uma carta de amor perfeita para a Era de Prata dos quadrinhos.

4. Super-Homem All-Star – All-Star Superman

4. Super-Homem All-Star - All-Star Superman - (Crédito da imagem: DC Comics)
4. Super-Homem All-Star – All-Star Superman – (Crédito da imagem: DC Comics)

A intenção de Grant Morrison com esta série de 12 edições, que levou quase três anos para terminar sua publicação original, era criar uma história do Super-Homem que fosse ao mesmo tempo nova e atemporalmente clássica. Ele o faz ao fazer a pergunta simples de como o Super-homem passaria seus últimos dias na Terra.

De uma maneira que é um antídoto para sua morte exploradora anterior dos anos 90, Superman é visto completando uma série de tarefas, ou ‘julgamentos’, no sentido mais mítico (ou talvez até bíblico). É uma narrativa que celebra tudo o que amamos no Último Filho de Krypton. Morrison canaliza seu conhecimento enciclopédico do Homem de Aço em uma história singular de uma maneira que nunca parece didática, permitindo aparições e aparências de praticamente todas as épocas dos quadrinhos do Super-Homem, sem precisar abrir o Multiverso para isso.

Tirando o personagem da sua essência mais heróica, Frank Quitely dá uma guinada na carreira, definindo o herói como uma versão super descontraída do alien onipotente. Desde o Super-homem, uma extensão lógica de como seria o último ser humano, até o oposto polar no vulnerável Lex Luthor, Quitely tem uma maneira de capturar a majestade e a humanidade desses personagens.

‘All-Star Superman’ continua sendo uma história por excelência do Super-homem para novos leitores e para aqueles com caixas longas muito mais profundas.

3. A Saga Das Grandes Trevas – The Great Darkness Saga

3. A Saga Das Grandes Trevas - The Great Darkness Saga - (Crédito da imagem: DC Comics)
3. A Saga Das Grandes Trevas – The Great Darkness Saga – (Crédito da imagem: DC Comics)

‘The Great Darkness Saga’ da Legion of Super-Heroes é uma das histórias mais antigas dessa contagem regressiva, e não tem visto muita referência no universo moderno da DC, mas permanece firme como um exemplo do que as histórias da DC podem realizar quando combinam o clássico com o nouveau e encontrar um terreno comum em idéias díspares.

‘The Great Darkness Saga’ conta a história de Darkseid, senhor das trevas de Apokolips, chegando ao século 31. A história reuniu numerosos vilões da Legião dos Super-Heróis, unindo-os com aspectos do Universo DC do século XX. Definiu a era da Legião e preparou o cenário para o que veio anos depois.

‘The Great Darkness Saga’ não é apenas o destaque da série de Paul Levitz e Keith Giffen na Legião dos Super-Heróis, é um dos maiores contos do universo moderno da DC, e um dos principais motivos pelos quais muitos fãs ainda clamam pela Legião. quando eles não fazem parte da linha da DC.

2. Crise nas Infinitas Terras – Crisis On Infinite Earths

2. Crise nas Infinitas Terras - Crisis On Infinite Earths - (Crédito da imagem: DC Comics)
2. Crise nas Infinitas Terras – Crisis On Infinite Earths – (Crédito da imagem: DC Comics)

A continuidade da DC nos anos 80 foi rica em nostalgia, mas cheia de inconsistências, levando ao primeiro megaevento real da história da empresa: ‘Crisis on Infinite Earths’, que sacudiu a DC, remisturando sua linha do tempo e anunciando o início de uma prática de embaralhamento de continuidade repetida a cada década desde então.

Apresentando a ameaça literalmente devastadora do Anti-Monitor, essa crise reuniu dezenas de heróis de todo o Multiverso e foi o cenário das mortes chocantes de Barry Allen e Supergirl (claramente uma lição que bons heróis nunca morrem – eles apenas se mudam para a CW). Marv Wolfman e George Perez manipularam um universo cheio de personagens, reunindo mais painéis e ações em uma edição do que muitas séries modernas se encaixam no mercado. Terras viveram e terras morreram, resultando em um verdadeiro épico que resistiu ao teste do tempo 30 anos depois.

O legado de ‘Crisis’ também não pode ser esquecido, com a continuidade simplificada que estabelece Wally West como o novo Flash e se lança em séries bem recebidas, como Homem de Aço de John Byrne, Frank Miller e Batman: Year One de David Mazzucchelli e Batman: Year One e George Perez, de David Mazzucchelli. Mulher Maravilha: Deuses e Mortais.

1. O Reino Veio – Kingdom Come

1. O Reino Veio - Kingdom Come - (Crédito da imagem: DC Comics)
1. O Reino Veio – Kingdom Come – (Crédito da imagem: DC Comics)

A história de Mark Waid e Alex Ross sobre a velha guarda dos heróis da DC que enfrentam obsolescência em um mundo protegido por gerações mais jovens e mais cruéis de super-heróis é tão poderosa agora quanto era quando foi publicada pela primeira vez em 1996.

Graças à compreensão de Waid sobre as personalidades titânicas que ele lida, sua apresentação que os faz se sentir humanos em vez de deuses elevados e os lindos visuais pintados de Ross, “Kingdom Come” é frequentemente o primeiro livro mencionado quando as pessoas são questionadas sobre quais são suas histórias favoritas da DC. .

Embora ‘Kingdom Come’ seja um testemunho emocional do conhecimento quase sobre-humano de Mark Waid sobre o imenso talento de DCU e Alex Ross, ele também recompensa os leitores que se vêem voltando repetidamente à série distópica Elseworlds de Waid e Ross. Seja o fato de Ross ter usado a imagem de seu próprio pai, um reverendo, como a inspiração para o personagem do ponto de vista Norman McCay ou o confronto final cheio de participações especiais de Waid que ainda revela novos heróis em meio ao barulho da batalha, isso a história parece nova a cada relida, apesar de estar nas prateleiras há mais de 20 anos.

‘Kingdom Come’ é um clássico em todos os sentidos da palavra e continua a ser a melhor história que a DC produziu.

5 1 voto
Gostou do Post?
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários