A Quarta Era e o Futuro de Terra-média: Por que Tolkien a Considerava Importante?

O Senhor dos Anéis teve muitas épocas importantes na história da Terra Média. Mas A Quarta Era é um dos mais impactantes de todos.

Resumo:

  • 📚 A Quarta Era na Terra-média representa a ascensão dos Homens como a raça dominante, marcando a supremacia da mortalidade sobre a magia e a fantasia.
  • 🌍 A Quarta Era é uma época de paz e crescimento baseado em “invenções”, após a derrota de Sauron e a partida dos Elfos e outros seres mágicos.
  • 🧙‍♂️ Aragorn se torna o Rei Elessar na Quarta Era, unificando os reinos de Númenor e traçando um caminho de restauração.
  • 🌟 A Quarta Era representa a celebração da mortalidade e da natureza terrena da existência comum, em contraste com a era de magia e mitos das eras anteriores.
  • 📝 Tolkien planejava escrever uma sequência de O Senhor dos Anéis que se passaria na Quarta Era, explorando um mundo predominantemente dos Homens e os Anéis como lendas.
  • 📖 A Quarta Era simboliza um adeus agridoce aos personagens favoritos e uma era de novas possibilidades e diversão na Terra-média.

A cativante construção de mundo de J.R.R. Tolkien eternizou O Senhor dos Anéis como uma das franquias de fantasia mais impressionantes de todos os tempos, que transcendeu todas as formas de mídia. A notável culminação da tradição de Tolkien em duas trilogias de filmes e uma série de TV contínua é uma verdadeira joia no gênero da fantasia, ainda apreciada após mais de duas décadas. A maioria das adaptações cinematográficas de Tolkien concentrou-se nas Segunda e Terceira Eras, períodos marcados por desafios sombrios devido à presença de Sauron de uma forma ou de outra. Os fãs devem estar familiarizados com os eventos da Terceira Era, uma vez que essa época é abordada na Trilogia O Senhor dos Anéis.

Tolkien explorou os tempos turbulentos enfrentados pelos habitantes da Terra Média durante as três primeiras Eras. Embora Elfos, Anões e Orcs tenham desfrutado de suas liberdades isoladamente, foram os Homens que enfrentaram as maiores adversidades. A Terceira Era de Arda começou com a primeira derrota de Sauron e durou 3.021 anos, culminando com Gandalf, Galadriel e outros partindo para as Terras Imortais. A era que se seguiu após anos de conflito e a ameaça de Sauron é conhecida como a Quarta Era ou a Era dos Homens. Embora o trabalho de Tolkien relacionado à Quarta Era não seja tão extenso quanto o restante de sua obra, ele representa um aspecto essencial da tradição. A Era dos Homens traz à tona um mundo menos centrado em elementos de fantasia e mais focado na prática do crescimento e na paz que se segue após a batalha final.

A Terra Média foi severamente oprimida antes da Quarta Era

A Quarta Era e o Futuro de Terra-média: Por que Tolkien a Considerava Importante? 3

A Terceira Era foi verdadeiramente catastrófica em muitos aspectos. Com o Um Anel em jogo, Sauron estava destinado a recuperar suas forças e dominar a Terra-média mais uma vez. A Grande Guerra do Anel testemunhou Elfos, Anões, Magos e Homens unindo forças para livrar a terra desse mal de uma vez por todas. Antes de Gandalf confiar o Um Anel a Frodo, ninguém percebia o quão profundamente a corrupção havia penetrado nas fileiras de vários reinos. Se não fosse pela Sociedade do Anel e pelos aliados que encontraram ao longo do caminho, a terra teria sido completamente devastada. No entanto, mesmo durante a guerra pela Terra Média, ficou claro que a maioria das criaturas, como Elfos e Anões, havia perdido o interesse no destino dos Homens. Apenas alguns, como Elrond e Galadriel, apoiaram a determinação de Gandalf de destruir o Anel. A vitória final sobre Sauron representou mais uma libertação da opressão para os Homens do que para qualquer outra raça na Terra-média. Os Elfos já estavam partindo quando perceberam o iminente perigo que o mal em Mordor representava.

A Grande Guerra foi, em grande parte, a última resistência da mortalidade contra as forças do mal. Em sua maior parte, a Terceira Era foi marcada pela decadência do domínio dos Elfos e pelo ascensão dos Homens, um período que durou milênios mesmo após a perda do Um Anel por Isildur. As numerosas campanhas para defender e recuperar Gondor destacam o papel vital que os Homens desempenharam no cenário político, mais do que qualquer outra raça. À medida que os Nazgûl e os Orcs começaram a reaparecer perto das Montanhas Nebulosas, Gondor emergiu como o poder central, enquanto os Elfos se retiraram cada vez mais para seus refúgios. Com os Anões enfrentando o declínio devido à exploração gananciosa do mithril, os únicos cujo destino estava diretamente ligado à ascensão de Sauron eram os Homens. Conforme o destino o quis, a verdadeira Era dos Homens emergiu após a destruição do Um Anel, e a Terra-média experimentou séculos de paz em que nenhum inimigo da “Humanidade” poderia prevalecer. Os Homens se recuperaram dos estragos da guerra e entraram em uma era com menos magia, mas também menos ameaças constantes.

A Quarta Era Marcou a Ascensão dos Homens

É realmente difícil imaginar a tradição de Tolkien sem magia, feitiçaria, seres míticos e a presença das sombras malignas. No entanto, é precisamente essa ausência que diferencia a Quarta Era das anteriores, pois representa a supremacia da mortalidade. Quando Aragorn foi coroado Rei Elessar, os demais Elfos, Galadriel, Frodo, Gandalf e outros partiram para o Reino Abençoado, deixando os Homens como os únicos herdeiros da Terra-média. Sob o governo de Aragorn, a terra floresceu, mas sem a magia e a sabedoria dos Elfos. Com a derrota de Sauron, não havia mais razão para a raça dos Elfos permanecer na Terra-média, mas sua presença cada vez mais fraca contribuiu para o florescimento dos Homens. Embora elementos de fantasia e a união da coragem dos Homens com a magia de outros seres sejam fundamentais em O Senhor dos Anéis, não se pode subestimar a importância do fim da Era e do mundo seguir em frente.

Os Homens foram criados após os Elfos e Anões, sendo conhecidos como os “Pós-nascidos”. Receberam o dom da mortalidade, tornando-os únicos, e herdaram a capacidade de fazer escolhas. Ao contrário dos Elfos, os Homens não estavam vinculados a Arda, o que lhes conferiu o instinto inato de prosperar além dos limites e de explorar o mundo. Embora os Elfos possuíssem magia e sabedoria incomparáveis, não tinham a curiosidade e o dom de dar forma à vida. É por isso que a Quarta Era, apesar de conter menos eventos notáveis, é de suma importância na tradição de Tolkien. Ela representa o progresso e celebra a verdade da mortalidade, em vez de glorificar a facilidade com que os seres superiores vivem suas vidas. Os Homens da Terra-média sempre enfrentaram desafios e tiveram que lutar mais do que os Elfos e Anões, que possuíam refúgios com recursos relativamente abundantes, origens e segredos. Como os Homens não nasceram com poderes especiais, eles ansiavam por eles ainda mais. A ausência de um caminho de vida pré-definido deu-lhes a oportunidade de moldar a natureza, a tecnologia e a sociedade de acordo com sua própria visão. Essas foram as coisas que os Homens perderam durante o reinado das sombras de Sauron, e é precisamente isso que a Era dos Homens representa.

A Quarta Era é Traz Novos Ventos

A Quarta Era e o Futuro de Terra-média: Por que Tolkien a Considerava Importante? 4

Mesmo que a magia, feitiçaria e objetos poderosos possam parecer mais convenientes para coexistir, eles são, de fato, unidirecionais. A capacidade dos Homens de sucumbir à doença, ao envelhecimento e a ferimentos fatais é o que dá sentido à vida. O reinado de Aragorn na Quarta Era unificou os outrora grandiosos reinos de Númenor e traçou um caminho de restauração. A humanidade entrou em uma era em que a magia desaparecia, dando lugar a um crescimento baseado em “invenções”. Não havia mais lutas internas ou guerras em grande escala na Quarta Era, e isso é o que torna esse período especial, pois ele está associado ao “felizes para sempre”. Foi uma época em que aqueles que testemunharam a destruição do Um Anel encontraram um novo propósito, casaram-se e tiveram filhos. Embora outras raças ainda existissem nessa Era, Tolkien concentrou-se principalmente na ascensão dos Homens e assegurou aos leitores que a paz e a mortalidade não eram superestimadas. Os fãs de O Senhor dos Anéis esperam grandiosidade e uma certa dose de estranheza em suas histórias, pois a fantasia é o combustível principal desse universo. No entanto, em algum momento, Anões, Elfos e Anéis se tornam mitos e fazem parte de histórias infantis que falam de um passado distante, mas que parecem nunca ter acontecido.

Tolkien estava interessado em explorar os eventos da Quarta Era e um mundo sem magia. Ele planejava escrever uma sequência de O Senhor dos Anéis que se passaria algumas centenas de anos após a morte de Aragorn. Um mundo predominantemente herdado pelos Homens, com os Anéis como lendas, teria sido uma homenagem adequada à essência da Quarta Era e à sua importância como uma celebração da mortalidade e da natureza terrena da existência comum. Com os Anéis do Poder cobrindo praticamente todos os grandes eventos da Segunda Era, os fãs teriam aceitado com satisfação que o escritor principal se entregasse a “baixa fantasia” histórias sobre o domínio dos Homens.

Considerando que nenhum filme de fantasia repleto de clichês pode igualar a qualidade do gênero explorado em O Senhor dos Anéis, uma adaptação da Quarta Era teria sido uma sequência moderna incrível. Poderia ter sido uma reverência medieval à história da fantasia e uma experiência nostálgica quando os personagens lembrassem o heroísmo de figuras como Bilbo, Gandalf e Aragorn. O perfeccionismo não é mais apreciado, e é exatamente isso que as histórias sobre raças como Elfos e Magos oferecem. Os Homens são falhos, gananciosos, emocionais, motivados e estão em constante evolução. Eles representam um aspecto crucial da mudança e da evolução, e é isso que a Quarta Era simboliza. Ela é uma conclusão perfeita, um adeus agridoce aos personagens favoritos e uma era de novas possibilidades e diversão.

 

Fonte: CBR

Deixe seu comentário