A batalha mais épica do MCU aconteceu nos bastidores

O MCU é conhecido por batalhas épicas de super-heróis, mas sua luta mais feroz foi nos bastidores entre dois executivos pela alma do Marvel Studios.

A batalha mais épica do MCU aconteceu nos bastidores, Além da estranha reformulação de um ator ou diretor que se afasta por causa de “diferenças criativas”, o Marvel Studios é conhecido principalmente por seu drama na tela e não fora dela. No entanto, um novo livro sobre a história do Universo Cinematográfico Marvel revela que sua batalha mais épica foi travada durante anos nos bastidores entre duas pessoas poderosas.

Embora não seja exatamente uma nova revelação, até que ponto ela foi feroz e mesquinha é apresentada pela primeira vez no contexto. Se o MCU tem um arquiteto, é o atual diretor de criação, Kevin Feige, que mudou a forma como a Marvel Studios fazia negócios. A Marvel é uma empresa da Disney agora, mas quando o MCU era apenas uma ideia, o ex-magnata dos brinquedos Ike Perlmutter era dono da Marvel Entertainment.

Recluso, amargo e credivelmente acusado de pensamento racista, sexista e outros pensamentos problemáticos, Perlmutter foi finalmente demitido pela Disney em março de 2023. Porém, o executivo, tão barato que exigiu que todos os clipes fossem reutilizados, foi um obstáculo maior para o sucesso do MCU do que qualquer outra coisa. Durante grande parte dos primeiros anos da Marvel Studios, Feige teve que responder ao “Comitê Criativo” em Nova York, composto por escritores de quadrinhos, editores e o braço direito de Perlmutter, Alan Fine.

Através dele, Perlmutter garantiu que os filmes da Marvel Studios tivessem luz verde e fossem lançados de acordo com sua estreita visão de mundo de como deveria ser um filme de super-herói. Um novo livro, MCU: The Reign of Marvel Studiosde Joanna Robinson, Dave Gonzales e Gavin Edwards, acompanha todo o caso sórdido do começo ao fim.

Como o livro revela, o Marvel Studios não começou quando o Homem de Ferro se tornou um personagem superstar improvável. A Marvel Entertainment estava em apuros na década de 1990, quando a empresa de Perlmutter, ToyBiz, comprou a empresa. O designer de brinquedos que se tornou o primeiro CEO da Marvel Studios, Avi Arad, criou um modelo em que os personagens eram licenciados para os estúdios, que então faziam filmes que renderam à Marvel um pagamento e, por meio do lado da fabricação de brinquedos do negócio, lucros em mercadorias.

Mas o acionista da Marvel e executivo de Hollywood, David Maisel, teve uma ideia. Ele convenceu Perlmutter a autorizar um empréstimo da Merril Lynch, com os direitos de dez personagens como garantia, para transformar o Marvel Studios em, bem, um estúdio de verdade quando Feige substituiu Arad, foi aí que as coisas mudaram. Os dois primeiros filmes, Homem de Ferro e O Incrível Hulk, tiveram pouca interferência de Perlmutter em Nova Iorque. Afinal, a empresa estava brincando com o dinheiro de outra pessoa.

No entanto, assim que a Marvel começou a financiar filmes com seu próprio dinheiro, Perlmutter quis assumir o controle. Seu esforço mais monstruoso foi garantir que o primeiro filme da Marvel Studios apresentasse apenas homens brancos e heterossexuais como personagens-título. Ele frequentemente se recusava a permitir brinquedos feitos para personagens femininas da Marvel e depois citava a falta de receita como uma “prova” de que as heroínas não vendiam brinquedos. No entanto, Feige não estava apenas tentando lucrar. Ele sabia que esses filmes significariam algo para o público. Ele também sabia que o público queria ver um grupo de personagens que se parecesse com o mundo em que viviam.

Isso continuou depois que a Disney comprou a Marvel Entertainment (a fim de reforçar seu apelo ao “público masculino”). MCU: The Reign of Marvel Studios cita um comentário de Perlmutter, relatado em 2012, sobre a reformulação de James Rhodes, dizendo que qualquer ator no papel “parecia igual” àquele que o interpretou anteriormente. No entanto, assim que os filmes da Marvel Studios começaram a ultrapassar rotineiramente a marca de um bilhão de dólares, a estrela de Feige subiu na Disney.

Ele finalmente conseguiu executar uma solução final em torno de Perlmutter, Fine e do Comitê Criativo, direto para os executivos da Disney, Alan Horn e Bob Iger. Nova York acabou sendo totalmente excluída do setor cinematográfico, para grande consternação de Perlmutter. Antes de Kevin Feige, a Marvel Studios e o braço de quadrinhos eram ambos “líderes de perdas” no negócio de brinquedos. Assim que o MCU começou, a empresa obteve mais lucros, dos quais Perlmutter ficou feliz em receber sua parte. Mesmo assim, o empresário notoriamente barato tentou minar tudo o que eles fizeram.

MCU: The Reign of Marvel Studios descreve mais de um evento de imprensa onde Perlmutter se opôs a fornecer lanches e refrigerantes aos repórteres que aguardavam. Os bajuladores de Perlmutter não tentaram apenas impedir a diversidade nos filmes. Eles se opuseram a quase tudo que Feige e a empresa queriam fazer. Perlmutter tentou matar Guardiões da Galáxia, e efetivamente matou o Capitão Marvel até Feige provar o valor de seu estúdio

O Homem-Aranha teria entrado no MCU ainda mais cedo, mas Perlmutter sabotou o acordo porque estava irritado com quanto dinheiro a Sony ganhou com “seu” personagem. O livro também detalha todos os lados da batalha quando Perlmutter tentou demitir Feige. “Kevin Feige me disse: ‘Escute, posso não estar aqui amanhã… Perlmutter não acredita que alguém irá assistir a um filme de super-herói estrelado por uma mulher'”, disse o ator do Hulk, Mark Ruffalo, em 2020. E quando o CEO da Marvel Entertainment tentou soltá-lo, Iger pessoalmente o impediu, de acordo com as memórias do CEO da Disney.

Hoje, Perlmutter saiu da Marvel e Feige ainda está lá. As batalhas descritas em MCU: The Reign of Marvel Studiosnão são apenas as “roupas sujas” de Hollywood expostas para o mundo ver. Isso mostra que, embora alguns executivos da Marvel considerassem esses filmes uma grande fonte de receita, o homem que dirigia o estúdio sabia que eles eram mais do que isso. Ele se preocupava com a integridade dos personagens, suas histórias e como a Marvel Studios poderia mudar o que é possível na narrativa cinematográfica.

Perlmutter, obcecado pelo custo de blocos de notas e canetas, não os via senão como um veículo para vendas de mercadorias. Embora as atuais greves da WGA e da SAG-AFTRA mostrem que os executivos dos estúdios não valorizam os artistas como deveriam, a Disney, por um momento, o fez. Eles sabiam que alguém como Kevin Feige, que acreditava no trabalho, era uma voz melhor para se ouvir do que um homem cuja única preocupação era garantir que o orçamento para materiais de escritório não fosse muito alto.

 

Fonte: CBR

Deixe seu comentário