PlayStation Network e Sua Esquecida Série ‘Powers’ de Super-Heróis de 2015

Powers estava hospedado na PlayStation Network, plataforma que não tinha a mesma confiança da Netflix, o que a impedia de ganhar maior atenção

Resumo:

  • Powers , um programa de 2015 adaptado de uma série de quadrinhos, tentou dar um toque processual ao conceito de programa de super-heróis.
  • O programa sofreu um momento infeliz, estreando um mês antes do Demolidor da Marvel na Netflix, o que ofuscou sua popularidade.
  • Powers estava hospedado na PlayStation Network, plataforma que não tinha a mesma confiança da Netflix, o que a impedia de ganhar maior atenção.

A era da Peak TV, que testemunhou uma inundação de programas de televisão de alta qualidade, pertence agora ao passado. Durante esse período, centenas de novos programas surgiram a cada ano, criando uma paisagem televisiva densa e diversificada. No entanto, nem todos esses programas se tornaram clássicos ou falhas memoráveis; alguns permaneceram no limbo da mediocridade, sem alcançar um status especialmente memorável.

Um exemplo desse fenômeno é “Powers”, uma série de televisão de 2015 baseada em uma série de quadrinhos. “Powers” tentou trazer uma abordagem procedural ao gênero de super-heróis, com Sharlto Copley no papel principal. A série foi transmitida na PlayStation Network, buscando inovar na forma como as histórias de super-heróis eram contadas, mas acabou não deixando uma marca duradoura na cultura pop.

 

A PlayStation Network, uma plataforma de streaming de jogos da Sony, fez sua incursão no mundo da programação original com “Powers” em meados da década de 2010. Isso aconteceu cerca de dois anos após o grande sucesso da Netflix no mundo da programação premium de streaming. A PlayStation Network esperava capitalizar o entusiasmo que os programas de streaming premium estavam gerando entre o público. No entanto, essa tentativa não teve sucesso, pois “Powers” teve apenas duas temporadas e as incursões da PlayStation Network na programação original roteirizada não tiveram um impacto significativo. Houve um momento em que “Powers” parecia ter o potencial de mudar o cenário da programação premium, mas esse potencial não se concretizou.

O que são ‘Powers’?

PlayStation Network e Sua Esquecida Série 'Powers' de Super-Heróis de 2015 3

“Powers” é uma série baseada em uma história em quadrinhos da Image Comics que foi exibida de 2000 a 2004, escrita por Brian Michael Bendis e Michael Avon Oeming. A trama se desenrola em um mundo onde existem super-heróis conhecidos como “Powers”. O protagonista, Christian Walker (interpretado por Sharlto Copley), costumava ser um desses superpoderosos, mas perdeu seus poderes e optou por se tornar detetive de homicídios. A série acompanha as investigações de Walker no Departamento de Polícia de Los Angeles, à medida que ele examina crimes relacionados a indivíduos com superpoderes. Utilizando seu conhecimento de sua antiga vida como super-herói, Walker busca impedir o crime e salvar o dia de uma maneira mais convencional, sem o uso de super-habilidades.

A adaptação de “Powers” para uma série de TV de alto conceito levantou um aspecto curioso. O conceito central da série parecia se encaixar melhor em uma rede de televisão convencional ou até mesmo em um programa a cabo voltado para um público mais maduro, como “Suits”. A narrativa de acompanhar advogados, policiais e outros profissionais “pegando o bandido” e resolvendo casos semanalmente é muito apreciada pelo público mais velho. No entanto, esse mesmo público costuma ter menos afinidade com a mitologia dos super-heróis, a violência gráfica e outros elementos “ousados” que faziam parte de “Powers”.

A série “Powers” buscava ser uma combinação de “CSI” e “The Boys“, uma mistura que exigia criatividade ousada para funcionar. No entanto, as críticas mistas que receberam ao longo de suas duas temporadas sugerem que a série talvez tenha perdido um pouco o alvo desejado nessa tentativa de equilíbrio.

A reputação de “Powers” foi indiscutivelmente prejudicada de forma permanente por um infeliz momento em sua história. O programa estreou apenas um mês antes do lançamento de “Demolidor” da Marvel na Netflix, o que resultou em um confronto entre duas séries ousadas de super-heróis em streaming durante a primavera de 2015. Desde o início, ficou claro qual delas seria a vencedora.

“Demolidor” era baseado em um personagem muito mais conhecido e foi lançado em uma plataforma de streaming que já tinha uma audiência fiel. “Powers” não tinha chance de competir, especialmente porque a estreia de “Jessica Jones” e a segunda temporada de “Demolidor” ocorreram entre a primeira e a segunda temporada de “Powers”. A série da Marvel na Netflix gerou tanto entusiasmo entre os espectadores que ofuscou “Powers” como o programa de super-heróis em streaming que as pessoas não podiam perder.

“Powers” também enfrentou obstáculos ao ser hospedado na PlayStation Network, uma plataforma na qual a Sony nunca pareceu ter muita confiança como local para lançar programas de TV originais. Enquanto a Netflix rapidamente seguiu o sucesso de “House of Cards” com outros programas originais como “Hemlock Grove” e “Orange is the New Black”, “Powers” estava isolado na PlayStation Network. Não havia outros programas notáveis nesse serviço que pudessem chamar a atenção do público e estabelecer a plataforma como um local para programas de TV originais. A falta de comprometimento com essa plataforma acabou prejudicando o destino do projeto, mesmo que ele pudesse ter tido sucesso em outra época. Curiosamente, a Sony Pictures Television mais tarde alcançou sucesso significativo com uma série de super-heróis realista e sombria…

‘Powers’ foi o programa certo na hora errada

PlayStation Network e Sua Esquecida Série 'Powers' de Super-Heróis de 2015 4

Estreando apenas algumas semanas antes do início de uma nova era de ouro de programas de super-heróis na televisão, “Powers” chegou ao cenário televisivo. Quatro anos depois, essa era veria o surgimento de “The Boys”, um projeto originado pela mesma produtora de “Powers”, a Sony Pictures Television. Embora ambas as séries fossem abordagens cínicas dos super-heróis, repletas de conteúdo adulto e baseadas em séries de quadrinhos anteriores, havia diferenças significativas entre elas. “The Boys” era mais refinado em seus valores de produção e explorava de forma mais profunda o cinismo da era Trump em relação às figuras de poder institucional. Enquanto “Powers” se concentrava em detetives de homicídios salvando o dia, o que não se alinhava bem com sua atitude sarcástica em relação aos super-heróis poderosos, “The Boys” encontrou sucesso ao apostar em um tom sombrio e protagonistas improváveis. Na série, não havia heróis confiáveis, apenas caos e personagens moralmente complexos que cativaram o público.

Embora as qualidades que tornaram “The Boys” um sucesso tenham destacado as razões pelas quais “Powers” não conseguiu se tornar um fenômeno da cultura pop, é legítimo questionar se “Powers” talvez tenha chegado alguns anos antes de seu momento de avanço criativo. Se o programa tivesse sido lançado após “The Boys” em uma plataforma de streaming popular, talvez tivesse uma chance melhor de ganhar impulso do público em geral. Com o fim dos programas da Marvel/Netflix e o aumento do cinismo em relação a projetos de super-heróis convencionais, uma produção como “Powers” poderia ter mais facilidade em se destacar e cativar os espectadores. Até mesmo seus elementos procedimentais poderiam se encaixar melhor em uma era de TV moderna dominada por séries como “Suits”, em contraste com a década de 2010, quando programas mais ousados como “True Detective”, “Breaking Bad” e “Mad Men” moldavam a televisão de prestígio.

No entanto, é improvável que saibamos como “Powers” se sairia na cultura pop moderna, já que a Sony Pictures Television provavelmente não arriscará uma nova versão de seu material original. A unidade agora se concentra em séries como “The Boys” e programas potenciais baseados em personagens do Homem-Aranha, deixando “Powers” como uma relíquia estranha da década de 2010, quando todas as empresas de tecnologia buscavam se tornar o próximo Netflix.

 

Powers está disponível para compra no Prime Video nos EUA

 

Fonte: Collider

 

Deixe seu comentário