Aceitar ou Não? Ubisoft Revela: O Fim da Propriedade de Jogos é Inevitável?

O diretor de assinaturas da Ubisoft diz que os jogadores precisam começar a “se sentir confortáveis” por não possuírem os jogos que estão jogando.

Resumo:

  • 💽 A indústria de jogos está caminhando para um futuro totalmente digital, sem a posse física dos jogos.
  • 🎮 Um executivo da Ubisoft, Phillipe Tremblay, afirmou que os jogadores precisam se acostumar com a ideia de não possuir seus jogos.
  • 🕹️ Tremblay destacou que não possuir um jogo não significa perder o progresso, pois os jogadores ainda mantêm seu tempo investido e conquistas.
  • 🎯 A ênfase está na conveniência e acessibilidade, refletida em serviços de assinatura como o Ubisoft Plus.
  • 📊 As vendas digitais representaram 90% da receita total da indústria de jogos no Reino Unido no último ano.
  • 🚫 Há preocupações com a impermanência e dependência de fatores externos, como licenciamento, nos serviços de assinatura de jogos.
  • 💼 As editoras buscam lucros com serviços de assinatura, semelhantes a gigantes do streaming como Netflix e Disney.
  • 📈 A transição para o modelo de assinatura na indústria de jogos apresenta desafios, incluindo a preocupação dos jogadores com a disponibilidade e a propriedade a longo prazo dos jogos.

Aceitar ou Não? Ubisoft Revela: O Fim da Propriedade de Jogos é Inevitável? 1

Assim como ocorreu com a música e a televisão, a indústria de jogos vem se direcionando, gradualmente, para um futuro totalmente digital há algum tempo, apesar da resistência de algumas comunidades que se preocupam com questões de preservação e propriedade. Infelizmente, parece que os maiores editores de jogos não estão preocupados com este último aspecto, como evidenciado por uma recente declaração de um executivo da Ubisoft, que disse que os jogadores precisam se acostumar com a ideia de não possuir seus jogos.

Esta declaração foi feita por Phillipe Tremblay, diretor de assinaturas da Ubisoft, em uma entrevista recente ao Gamesindustry.biz sobre o futuro digital e, especificamente, sobre o Ubisoft Plus. Tremblay afirmou que as pessoas eventualmente se acostumaram com a ideia de não possuir suas coleções de CDs ou DVDs, e que uma mudança semelhante de atitude “precisa acontecer” entre os jogadores.

Uma das coisas que vimos é que os jogadores estão acostumados, um pouco como o DVD, a ter e possuir seus jogos. Essa é a mudança do consumidor que precisa acontecer.

Ele continua explicando que não possuir um jogo não significa perder o seu progresso, e que você ainda mantém o tempo investido e o que construiu, mesmo sem ter uma cópia física para colocar na estante. Tremblay também diz que “compreende a perspectiva dos jogadores” no que se refere à posse de jogos, mas afirma que serviços como o Ubisoft Plus permitirão a eles acessar seus jogos “quando quiserem”.

Essa visão destaca uma transição no conceito de propriedade no mundo dos jogos, onde a experiência e o progresso do jogador são valorizados, mesmo na ausência de um item físico. A ênfase na conveniência e na acessibilidade, características dos serviços de assinatura como o Ubisoft Plus, reflete uma mudança significativa na maneira como os jogos são consumidos e experimentados.

Nota:

As vendas digitais representaram 90% da receita total da indústria de jogos no Reino Unido no ano passado , que também viu outra queda nas vendas de jogos físicos.

A opinião de Tremblay sobre jogos físicos não é surpreendente, considerando que ele é diretor de assinaturas, mas ele deixa de mencionar algumas preocupações compartilhadas por muitos em relação aos serviços de assinatura. Primeiramente, é verdade que jogos vêm e vão nesses serviços atualmente, com um exemplo recente sendo a saída do Grand Theft Auto 5 do Xbox Game Pass. Se você joga apenas através de serviços de assinatura, pode facilmente perder o acesso a certos títulos regularmente.

Em segundo lugar, jogos que são retirados das lojas online, por um motivo ou outro, significariam que eles deixariam de existir em um futuro totalmente digital. Dois exemplos notáveis são o Alan Wake original e o próprio jogo da Ubisoft, The Crew, ambos removidos devido a questões de licenciamento. Enquanto o primeiro eventualmente retornou às lojas digitais graças à remasterização recente, The Crew não pode mais ser comprado e deixará de existir em 31 de março de 2024.

Essas questões destacam um dilema importante no cenário de jogos digitais e de assinaturas: a impermanência e a dependência de fatores externos, como licenciamento, que podem afetar drasticamente a disponibilidade e a acessibilidade dos jogos para os consumidores.

Apesar dessas preocupações, parece inevitável que as editoras tentarão incentivar cada vez mais jogadores a aderirem aos serviços de assinatura no futuro próximo. Elas observaram o lucro substancial que esses serviços proporcionam para gigantes do streaming, como Netflix e Disney, e desejam participar dessa ação, com a receita de assinaturas representando 89% do mercado de “conteúdo baseado em vídeo” no Reino Unido no ano passado. Se a indústria de jogos fará uma transição tão suave quanto a desses serviços ainda está para ser visto.

Esta tendência reflete uma mudança significativa na estratégia das empresas de jogos, visando adaptar-se ao sucesso do modelo de negócios baseado em assinaturas que dominou outras formas de mídia. No entanto, a adaptação desse modelo para a indústria de jogos apresenta desafios únicos, incluindo a preocupação dos consumidores com a disponibilidade e a propriedade a longo prazo dos jogos. A capacidade da indústria de jogos de navegar nesses desafios e satisfazer tanto as necessidades empresariais quanto as dos jogadores será crucial para determinar o sucesso dessa transição.

 

Fonte: Thegamer

 

Deixe seu comentário