Vendedor de ‘hack’ é condenado pela primeira vez nos EUA; entenda o caso!

Convenhamos: trapaceiros em jogos online nem deveriam existir, não é mesmo? Na última sexta-feira (24), um júri federal de Seattle, Estados Unidos, concluiu que a Phoenix Digital, dona do site de cheats AimJunkies, violou os direitos autorais da Bungie ao criar e comercializar cheats para Destiny 2.

Essa é uma decisão histórica, visto que é a primeira vez que um júri concorda em condenar um criador de cheats que violou os direitos autorais de uma empresa de jogos. Com o veredito, os réus do caso deverão pagar US$ 63.210 à Bungie — cerca de R$ 326 mil.

Processo duradouro

O pleito teve início em 2021, quando a Bungie processou a AimJunkies e outros quatro acusados em um tribunal federal de Seattle por violação de direitos autorais, marca registrada, entre outras coisas.

A acusação da Bungie foi parcialmente rejeitada em abril de 2022, pois a empresa não possuía argumentos suficientes contra a empresa de cheats. A AimJunkies, claro, negou as acusações e disse na época que trapacear não é contra a lei.

Após anos de reviravoltas jurídicas, o caso finalmente foi julgado na semana passada, onde ambos os lados apresentaram seus argumentos. A AimJunkies enfatizou que os réus nunca tocaram em nenhum código de Destiny 2 protegido por direitos autorais.

Valores que cada um dos réus foi condenado a pagar para a Bungie.

Após o término das audiências, o júri bateu o martelo na última sexta-feira (24) — condenando todos os réus por violação direta, indireta e contributiva de direitos autorais.

Agora, a Phoenix Digital Group e todos os réus individuais no caso foram condenados a pagar uma indenização de US$ 63.210 à Bungie pelos lucros reais que obtiveram na venda dos cheats.

Decisão histórica pode servir de exemplo

A vitória no júri pode significar apenas alguns trocados a mais no bolso da Bungie — e, claro, dificilmente acabará com as trapaças online. Porém, isso pode ser um marco na indústria e um grande exemplo para outras empresas do ramo.

Call of Duty: Warzone é um dos jogos que mais sofrem com trapaças atualmente.

Não é de hoje que jogos online como FreeFire e, principalmente, Call of Duty: Warzone são alvos de trapaceiros — o que torna a experiência frustrante para muitos jogadores. Agora, com a condenação da Phoenix Digital Group, talvez as empresas do ramo pensem duas vezes antes criar e comercializar esses cheats.7


Fonte 

 

 

 

Deixe seu comentário