Showrunners de ‘O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder’ quebram o silêncio sobre retaliação de Sauron e 2ª temporada

Dois showrunners estreantes que conquistaram a maior série da TV dão ao THR um tour pelos bastidores enquanto navegam em desafios ainda mais assustadores que Mordor – desde trollagem online “patentemente malvada” até grandes expectativas da indústria.

“É aqui que tudo acontece”, diz o showrunner Patrick McKay. “A Sala de Guerra”.

A peça central da grande sala sem janelas é uma longa mesa de conferência, mas seus olhos são imediatamente paralisados ​​pelo que está cobrindo as paredes. Você está cercado por artes conceituais mostrando os principais cenários da segunda temporada de O Senhor dos Anéis: Os Anéis de Poder (The Lord of the Rings: The Rings of Power). Os showrunners McKay e JD Payne dão um passo a passo das sequências. Eles planejam introduzir locais mais icônicos, personagens familiares da Terra-média e uma enorme batalha de dois episódios. Isso é, obviamente, algo ultra-secreto – nenhuma mídia foi permitida no set do drama de fantasia, muito menos nesta sala. Mas os showrunners queriam dar ao mundo uma espiada por trás da cortina para revelar como é gerenciar a maior série de TV já produzida.

Desde que a fantasia de um bilhão de dólares da Amazon foi lançada em 2 de setembro, Os Anéis de Poder (The Rings of Power) foi abençoado com fortes elogios da crítica especializada (84% positivos no Rotten Tomatoes) e arrastado por ataque de fãs online (sua pontuação de audiência é de 39% – o que inclui um grau desconhecido de “bombardeamento de reviews” nas mãos de trolls da internet, o que nós sabemos são apenas fãs indignados com o trabalho medíocre de um 1 bilhão de dólares). A audiência do programa na Nielsen é formidável – seus dois primeiros episódios foram vistos por cerca de 12,6 milhões de telespectadores nos Estados Unidos nos primeiros quatro dias.

Que se comparado a House of the dragon, que teve uma audiência de 36 milhões de pessoas, somente no primeiro dia, já é um indicador que a série flopou.

Mas dado que este é o Senhor dos Anéis, as expectativas é insanamente alta. E ninguém conhece o que está em jogo melhor do que Payne e McKay. Eles são dois showrunners de primeira viagem que embarcaram em uma jornada inesperada há quase cinco anos para fazer seu projeto de paixão de JRR Tolkien e agora se encontraram, como McKay coloca, “na falha da guerra cultural”, com todos de exércitos de fãs anônimos de Tolkien para os dois homens mais ricos do mundo pesando. Não é fácil se concentrar em escrever roteiros e gerenciar um elenco e uma equipe de 1.300 pessoas na produção de TV mais complicada de todos os tempos quando Elon Musk está te criticando Twitter.

“Parte do que tem sido mais difícil de ouvir é o ponto de vista cínico de que isso é um roubo de dinheiro”, diz McKay. “É como, oh meu Deus, o oposto. Esta é a produção mais séria. Este não é um trabalho de salário para ninguém. Este é um trabalho de amor.”

A ligação dos advogados chegou à Amazon em uma sexta-feira de 2017: a propriedade de Tolkien ia receber propostas para um show do Senhor dos Anéis. A Prime Video, junto com todas as outras empresas de entretenimento, estava procurando “o próximo Game of Thrones.” O fundador e presidente da Amazon, Jeff Bezos, era um fã de longa data de Tolkien. Ir atrás de O Senhor dos Anéis era um desafio, e uma “sociedade” interna foi montada para descobrir como vencer outros potenciais licitantes.

Fontes dizem que a HBO lançou o espólio para recontar “Terceira Era” da Terra-média – essencialmente refazendo a amada trilogia O Senhor dos Anéis , de Peter Jackson , que arrecadou US$ 3 bilhões e ganhou 17 Oscars. O espólio tem suas queixas com as adaptações de Jackson (o falecido Christopher Tolkien, filho do autor, disse que “estriparam” os livros), mas não estava interessado em trilhar o mesmo terreno. A Netflix propôs fazer vários programas, como uma série de Gandalf e um drama de Aragorn. “Eles adotaram a abordagem da Marvel”, disse uma fonte das negociações, “e isso assustou completamente a propriedade”.

A equipe de negociação da Amazon (liderada por Sharon Tal Yguado, Roy Price e Dan Scharf) cortejou o espólio não com um discurso específico, mas com a promessa de um relacionamento próximo que daria ao espólio um assento criativo à mesa para que pudesse proteger o legado de Tolkien . Havia também, é claro, o dinheiro. Fontes dizem que o número impressionante que foi amplamente divulgado (US $ 250 milhões de dólares) foi na verdade a oferta da Netflix e que o número da Amazon foi dezenas de milhões a menos (embora ainda impressionante).

“Foi nossa paixão coletiva e fidelidade a Tolkien que realmente ganhou o dia”, diz o co-diretor da Amazon Studios TV Vernon Sanders (que entrou em 2018 como parte de uma reformulação executiva que incluiu Price sendo demitido por uma alegação de má conduta, Jen Salke se juntando como chefe da Amazon Studios e Albert Cheng sendo instalado como co-chefe de TV).

Ler doS showrunnerS “fidelidade a Tolkien”, é a mesma coisa que eles cuspirem em nossas caras, porque não tem nada de fidelidade nessa obra, é uma Woke Fic muito mal escrita e interpretada, com enredo bem bosta e péssimos atores.

Quando Payne, 42, e McKay, 41, ouviram de seus representantes que Rings estava chegando à TV, McKay diz que “um arrepio nos percorreu”. A dupla se conheceu no ensino médio no norte da Virgínia e se tornaram amigos quando se juntaram à mesma equipe de debate no ensino médio. Eles se mudaram para Los Angeles e passaram anos trabalhando no jogo de roteiro sem uma grande vitória. Seu show anterior foi no Bad Robot, onde eles criaram roteiros e desenvolveram vários projetos, como um filme abandonado de Star Trek . “Chegamos a um ponto – estávamos escrevendo filmes por 10 anos que deveriam ter sido feitos”, diz McKay. “Filmes onde o diretor estava certo, o elenco estava certo, o roteiro estava certo, o título estava certo e era um grande IP – e ainda não estava acontecendo. Então [pensamos] talvez devêssemos tentar essa coisa de TV.”

No início de suas carreiras, seus agentes perguntaram aos fãs de longa data de Tolkien qual era o projeto dos seus sonhos, e eles ambiciosamente responderam: “ O Senhor dos Anéis ”. Então, “obviamente, íamos jogar tudo o que temos nisso”, diz McKay.

“Não tínhamos ideia no que estávamos nos metendo. Ninguém mais fez também”, diz Patrick McKay (à direita). Ele e JD Payne foram fotografados em 21 de setembro no Bray Film Studios em Windsor, Inglaterra. FOTOGRAFIA POR CHARLIE GRAY (2); STYLING DE ADELE CANY ON PAYNE: JAQUETA BOTTEGA VENETA, CAMISA DOLCE & GABBANA, JEANS NUDIE, CINTO E SAPATOS LOUIS VUITTON. NO MCKAY: JAQUETA BELSTAFF, CAMISETA RAEY, JEANS NUDIE, CINTO MONCLER, SAPATOS NOVESTA. GROOMING POR BRADY LEA NA PREMIER HAIR & MAKE-UP

“Não tínhamos ideia no que estávamos nos metendo. Ninguém mais fez também”, diz Patrick McKay (à direita). Ele e JD Payne foram fotografados em 21 de setembro no Bray Film Studios em Windsor, Inglaterra. FOTOGRAFIA POR CHARLIE GRAY (2); STYLING DE ADELE CANY ON PAYNE: JAQUETA BOTTEGA VENETA, CAMISA DOLCE & GABBANA, JEANS NUDIE, CINTO E SAPATOS LOUIS VUITTON. NO MCKAY: JAQUETA BELSTAFF, CAMISETA RAEY, JEANS NUDIE, CINTO MONCLER, SAPATOS NOVESTA. GROOMING POR BRADY LEA NA PREMIER HAIR & MAKE-UP

Payne e McKay suspeitavam que a muito menos conhecida Segunda Era de Tolkien era a chave: é uma pré-história de séculos da trilogia O Senhor dos Anéis que ainda inclui alguns personagens imortais (como os belos elfos Galadriel e Elrond e o sinistro Lorde das Trevas Sauron), junto com aqueles anéis que corrompem a alma. Trabalhando juntos em um andar de apartamento, eles inventaram um argumento de uma frase: narrar os primeiros cinco minutos de A Sociedade do Anel de Jackson – o prólogo narrado por Galadriel que contava a história dos anéis de poder – durante o curso de cinco temporadas.

Os escritores foram descritos na mídia como sendo como Frodo e Sam, o que é fofo, mas não se encaixa. Para começar, eles geralmente são os caras mais altos da sala. McKay tem um nível extraordinário de energia e paixão, e quando ele está no auge, ele é tão persuasivo quanto Saul Goodman obcecado pela Terra-média – você se vê concordando com a cabeça, de repente querendo comprar uma propriedade em Mirkwood. O Payne de óculos aparece como doce e mais reservado, e seu amor por Tolkien é profundo – ele tem um respeito quase espiritual pelo material e vai direto para o WWTD para resolver qualquer desafio criativo enfrentado pela série.

Em seu discurso na Amazon, Payne enfatizou que seu programa seria “ Coração Valente , não Nárnia – você quer real e vivido”. Quando eles receberam um telefonema para retornar, McKay disse que eles disseram: “Você precisa lançar o show inteiro – esta é sua chance. Lance tudo para se manter vivo na próxima rodada. Todas as cinco temporadas.”

Foi uma pergunta tão grande em cima da hora que eles consideraram brevemente cancelar a reunião. Mas os roteiristas embarcaram em uma maratona de brainstorming, onde eles desvendaram o que se tornaria as principais histórias de seu programa. “Quando aquela sessão de criatividade e inspiração febril terminou, tivemos um momento de silêncio”, lembra McKay. “Eu olhei para o quadro como: ‘É isso, é isso que o show quer ser.’ “

A dupla entrou em sua segunda reunião da Amazon com total confiança. E então… bem… “Fizemos mais sete arremessos”, diz McKay.

O que se seguiu pareceu a Payne e McKay como “uma campanha presidencial de seis meses” tentando influenciar vários executivos e partes interessadas. Em um ponto, eles se encontraram com a propriedade e Payne cumprimentou Simon Tolkien em élfico. Em outra reunião, McKay desenhou um mapa do mundo de Tolkien, circulou uma pequena porção e disse aos executivos: “Isto é tudo o que você viu nos filmes de O Senhor dos Anéis ” e então começou a descrever outros lugares no mapa. “Há muito mais história para contar!”

Executivos entrevistaram dezenas de roteiristas, produtores e diretores, incluindo os irmãos Russo, que uma fonte diz que apresentou a Terceira Era “como uma história de Aragorn”. Um forte rival foi o indicado ao Oscar Anthony McCarten ( A Teoria de Tudo ), que tinha uma visão shakespeariana. Tentar convencer os executivos a apostar em dois caras com zero créditos no IMDb em vez de hitmakers comprovados de Hollywood não foi tarefa fácil. “As pessoas que enfrentamos têm currículos que no papel seriam mais adequados para o show”, diz McKay. “Nós éramos os candidatos azarões.”

A certa altura, Payne e McKay pediram ao mentor e ex-chefe JJ Abrams para ligar para a Amazon para dar uma boa palavra, e ele o fez. “Sentimos que isso mudou a agulha”, diz McKay.

No entanto, o fator decisivo foi sua história e paixão e profundidade de conhecimento do mundo de Tolkien. A equipe de programação da Amazon continuava voltando à mesma conclusão: os caras com talvez menos experiência também eram a melhor escolha.

“Ouvindo-os saltando para frente e para trás, eles tinham uma conexão tão profunda com o material que estava lá desde o início”, diz Salke. “Não havia educação que você pudesse fazer para isso; era seu interesse orgânico natural.”

McKay diz secamente: “Imagino que foi muito assustador para eles”.

***

A primeira temporada de Rings foi uma filmagem incrivelmente longa, complicada pelos atrasos do COVID, estendendo-se por 18 meses. As filmagens foram feitas na Nova Zelândia, com a veterana do Bad Robot, Lindsey Weber, como produtora executiva principal. Para a segunda temporada, a Amazon transferiu a produção para o Reino Unido, onde a empresa está estabelecendo um hub.

Questionado sobre o que eles aprenderam desde a primeira temporada e que agora estão se candidatando à segunda, McKay é sincero. “Essa pode ser uma resposta que leva uma hora”, diz ele. “Toda a criação deste show foi uma enorme experiência de aprendizado para todos os envolvidos. Não tínhamos ideia no que estávamos nos metendo. Ninguém mais fez, também.”

Os episódios da primeira temporada, acredita a equipe, melhoram à medida que a temporada avança (o sexto episódio do programa de 30 de setembro, o mais recente, é o mais bem avaliado no IMDb). McKay diz que o objetivo da segunda temporada – que silenciosamente começou a ser filmada em 3 de outubro no Bray Studios – é ser “maior e melhor” em “todos os níveis … por uma ordem de magnitude”.

“O espírito de Tolkien é sobre pessoas díspares que não confiam umas nas outras e parecem diferentes umas das outras, encontrando um terreno comum na amizade e realizando grandes coisas”, diz Payne (esquerda), no set com McKay (direita) e diretor/ produtor executivo JA Bayona. CORTESIA DE BEN ROTHSTEIN/PRIME VIDEO

“O espírito de Tolkien é sobre pessoas díspares que não confiam umas nas outras e parecem diferentes umas das outras, encontrando um terreno comum na amizade e realizando grandes coisas”, diz Payne (esquerda), no set com McKay (direita) e diretor/ produtor executivo JA Bayona. CORTESIA DE BEN ROTHSTEIN/PRIME VIDEO

“Algumas pessoas tinham coisas boas a dizer sobre o piloto e o segundo episódio, ou não tinham coisas boas a dizer, mas espero que fiquem para mais episódios”, diz McKay. “A barra tem que continuar subindo.”

Críticas que eles aguentam, e já ouviram tudo. Tudo o que os fãs debateram, dizem eles, também discutiram entre a equipe criativa. Eles admitem prontamente, por exemplo, que alguns dos episódios da primeira temporada não têm a urgência que os fãs esperam das adaptações de Tolkien.

“Uma das grandes coisas que aprendemos foi que, mesmo quando é uma cena pequena, sempre tem que se ligar aos riscos maiores”, diz Payne.

“Há coisas que não funcionaram tão bem na primeira temporada que poderiam ter funcionado em uma série menor,” McKay concorda. “Tem que ser sobre o bem e o mal e o destino do mundo ou não tem aquela sensação épica que você quer quando está em Tolkien.”

O que não significa que o show não continuará a abraçar pequenos momentos. Eles apontam que em The Return of the King , Sam vê uma estrela através das nuvens e diz que todo o mal que eles estão enfrentando é apenas uma sombra passageira, e há uma beleza acima que ela nunca pode alcançar. “É um pequeno momento pessoal, mas reflete o tema de todo o trabalho”, observa Payne. E mesmo os críticos mais barulhentos do programa admitem que a série é linda e faz um bom trabalho ao criar e apreciar as maravilhas do mundo de Tolkien.

Mas o objetivo da dupla é tão alto quanto possível: um clássico que é assistido repetidamente como a trilogia de Jackson. “Quando falamos sobre a medida do sucesso, o que importa para nós é se é divertido o suficiente para que as pessoas se interessem e debatam”, diz McKay. Os showrunners acreditam que a temporada de estreia será vista ainda mais positivamente à medida que mais episódios se desenrolam, com segredos ainda a serem revelados que mudarão a forma como os primeiros episódios serão exibidos na segunda visualização.

“Algumas coisas são muito aclamadas pela crítica e ganham toneladas de prêmios e são esquecidas no ano seguinte”, diz Payne. “Por outro lado, algumas coisas não recebem muito amor, mas se tornam clássicos sendo assistidos 60 anos depois. Acho que vai demorar um pouco para a poeira baixar.”

É claro que a Amazon não gostaria de esperar 60 anos para que o programa fosse globalmente aceito. Desde o lançamento, sua prioridade para a empresa tem sido óbvia até para os clientes mais casuais da Amazon. Nenhuma série Prime Video já desfrutou do nível massivo de promoção cruzada de varejistas da Rings – como uma aquisição de página inicial com envolvimento de tela, um relógio de contagem regressiva de botão de pedido, alavancagem como Twitch e IMDb e pacotes embrulhados em anúncios de Rings chegando em portas ao redor do mundo.

O próprio Bezos ficou um dia no set. O magnata brincou publicamente que Payne e McKay ignoraram algumas de suas ideias, mas os escritores nunca receberam notas de que foram informados que vieram diretamente do chefão. Ainda assim, “sempre foi comunicado à equipe que esse show era de extrema importância para ele”, diz uma fonte.

Embora a Amazon pudesse sobreviver facilmente se a Rings desmoronasse de alguma forma como a torre de Barad-dûr, especialistas do setor dizem que seu estúdio provavelmente não conseguiria. Eles comparam a aposta da empresa em Tolkien com a famosa aposta da New Line sua existência na trilogia de filmes de Jackson há duas décadas.

“O programa é excepcionalmente importante para eles”, diz um dos parceiros da Amazon. “É uma oportunidade de branding para a Amazon mostrar que pode entregar algo com uma pátina de qualidade em termos de audiência, recepção crítica e cultural, que ainda não teve. E estrategicamente, em um mercado onde há contração em muitos de seus concorrentes – Netflix, HBO Max – eles acham que isso está inaugurando um momento de expansão. Não apenas em termos de jogar dinheiro nas coisas, mas em sua capacidade de atrair outros talentos e oportunidades.”

Ou, como disse uma fonte: “É grande demais para perder”.

A opinião de Salke é um pouco mais temperada. “Obviamente, é incrivelmente importante que isso seja bem-sucedido”, diz ela. “Mas esta é uma empresa que faz grandes oscilações o tempo todo e não tem medo do risco.”

No entanto, a Amazon sabe há muito tempo que estava prestes a decolar em série bastante acidentada. Eles viram fãs de Tolkien batendo The Rings of Power online antes que um frame fosse lançado. “Todos nós vimos isso acontecer, não houve surpresas”, diz ela. “Tendo uma visão de nosso público global, também temos uma visão dos lados mais sombrios de como as pessoas podem manipular avaliações e ter outros pontos de vista que não apoiaríamos.”

Então, o streamer anunciou que estava desativando as críticas do programa em sua plataforma nas primeiras 72 horas após sua estreia (depois as manteve desligadas por mais cinco dias). A empresa continuou a monitorar as avaliações: algumas desapareceram tão rápido que é como se estivessem usando o Um Anel.

A Amazon afirma que houve um esforço coordenado para atacar o programa por ousar diversificar Tolkien com personagens femininas fortes e pessoas de cor. “A parte mais difícil foi para as pessoas do elenco que tiveram coisas relacionadas a elas em particular que são prejudiciais”, diz Sanders.

É uma explicação que satisfez a mídia, mas inflamou alguns fãs que sentem que a empresa despreza qualquer crítica e, sem dúvida, arriscou escalar o que poderia ter sido uma briga de curto prazo em uma guerra de trincheiras de fãs em andamento. Como um escreveu: “Estou cansado das constantes arengas da mídia da Amazon de que se você não ama o programa, você é racista”. Muitos apontam que House of the Dragon da HBO enfrentou trollagens semelhantes por seus movimentos de diversidade, mas suas pontuações de público não foram afetadas.

Mas também é possível que a porcentagem de avaliações baseadas em agenda da Rings seja muito maior do que a da Dragon . O mundo de Tolkien tem uma longa e infeliz história de atrair admiradores fascistas adjacentes, algo que certamente teria repelido o autor anti-totalitário do mundo da fantasia, cuja trilogia Rings foi inspirada pelos horrores da Primeira Guerra Mundial. , Giorgia Meloni, por exemplo, tem sido uma fã sincera de Tolkien, inutilmente.

Ou tome a reclamação deste fã: uma adaptação de Tolkien é uma “versão de fantasia politicamente correta do poder feminino da Nova Era” que está “estuprando o texto”. Isso soa como o que está povoando o Rotten Tomatoes e o IMDb agora, mas na verdade foi citado na revista Wired em 2001 para uma história sobre a reação do fandom de Tolkien à Sociedade do Anel de Jackson .

Payne parece particularmente angustiado com o assunto. “O espírito de Tolkien é sobre pessoas díspares que não confiam umas nas outras e parecem diferentes umas das outras, encontrando um terreno comum na amizade e realizando grandes coisas”, diz ele. “Esse é o espírito que tentamos inculcar em cada vírgula e ponto final da série. Que essa aspiração seja ofensiva para as pessoas e as enfureça… é muito difícil para nós entendermos. O que eles estão protegendo? Não vejo como as pessoas que estão dizendo essas coisas pensam que estão lutando pelo bem. Há uma linha no episódio sete em que Galadriel diz que toda guerra é travada de fora e de dentro. Mesmo se você estiver lutando por algo que você acha que é bom, se você fizer algo pior nessa luta, então você se tornará mau. Não vejo como as pessoas que estão dizendo essas coisas pensam que estão lutando pelo bem.

Cynthia Addai-Robinson (Rainha Regente Míriel), Ismael Cruz Córdova (Arondir), Charlie Vickers (Halbrand) O Senhor dos Anéis: Os Anéis do Poder

Cynthia Addai-Robinson (Rainha Regente Míriel), Ismael Cruz Córdova (Arondir) e Charlie Vickers (Halbrand) em O Senhor dos Anéis: Os Anéis do Poder CORTESIA DE PRIME VIDEO

A Nielsen Ratings lançada em 29 de setembro mostra um lançamento altamente bem-sucedido quase compatível com o Dragon (comparações precisas são quase impossíveis por causa de vários fatores com os quais não vamos aborrecê-lo). Um membro do setor familiarizado com o funcionamento interno da Amazon sugere que o desempenho do The Other Fantasy Show é seguido com mais ansiedade do que a empresa deixa transparecer.

“Nunca foi sobre os críticos, é tudo sobre os consumidores”, diz a fonte. “Tudo com o que Jeff se preocupa é a obsessão do consumidor. Se você olhar para a história da Amazon, todas as divisões viveram e morreram com base nisso… O dragão importa porque de repente há uma referência. É o seu comp mais próximo do sucesso. Quando eles viram Dragon crescer em seu segundo episódio e trouxe 20 milhões de espectadores, eles cagaram nas calças.”

A Amazon certamente não confirmaria essa representação, mas Salke diz que está feliz com a abertura do programa e aponta para o fato de que as classificações dos EUA são apenas uma fatia do impacto do programa. “O show está tendo um desempenho inacreditável internacionalmente”, diz ela. “Então, estamos nos sentindo muito bem. Ver a fatia dos EUA sair é apenas a cereja do bolo.”

Para Payne e McKay, Dragon é um assunto cansativo. Eles estavam fazendo Rings por anos antes da HBO declarar em março que sua prequela de Thrones iria estrear duas semanas antes do show. De repente, a mídia e o mundo dos fãs não paravam de falar sobre Dragon vs. Rings porque, convenhamos, todo mundo adora uma luta. “Ele domina a narrativa sobre como é recebido”, diz McKay. “Mas não fazia parte da narrativa de como nosso programa foi concebido. Espero que estejamos competindo contra nós mesmos.”

***

Galadriel parece um pouco fora. Mas como exatamente?

A atriz Morfydd Clark está vestida com um novo traje elegante para a segunda temporada e ostenta um elaborado trabalho de trança que deixaria a princesa Leia com inveja. Deixando seu café para trás (sem copos Starbucks em conjuntos de programas de TV de fantasia, por favor), ela faz um teste de câmera enquanto Payne e McKay sugerem mudanças. A aljava de flechas dela é estranha? (Sim.) A cor de sua bandoleira a faz “parecer um guarda de trânsito”? (Tipo.)

Payne e McKay visitam vários departamentos e eu acompanho enquanto permaneço sob estreita supervisão ( Ninguém sai da trilha! E ninguém anda sozinho!). Eles se reúnem com o departamento de figurino e veem o último lote de roupas (“mais detalhes” é uma nota comum – para dar às roupas uma aparência mais desgastada). Eles selecionam entre vários designs de piercings faciais de Orcs (eles escolhem os que parecem mais dolorosos). Eles se reúnem com o arsenal para inspecionar armas de aparência letal (um membro da tripulação do ferreiro trabalha próximo a uma lareira em chamas, martelando de forma impressionante novas armas de suporte em uma bigorna). Eles visitam o set da Corte de Númenor e apontam melhorias que estão fazendo (como elevar a água que corre pelo chão para que apareça mais na câmera). É um turbilhão ininterrupto de decisões e ajustes antes de as câmeras rodarem.

Uma reunião é com o supervisor de efeitos visuais Jason Smith, que supervisiona os esforços do programa para gerenciar a escala de atores em uma cena juntos (pés-arédios, anões, humanos/elfos/orcs são todos de alturas diferentes). Uma maneira pela qual o show superou os filmes de Jackson é que momentos em que personagens de diferentes tamanhos interagem são executados tão bem que você nem percebe (o que é, claro, a ideia toda). O que pode parecer uma simples tomada de dois personagens sentados e conversando pode exigir uma variedade estonteante de truques de câmera, adereços de tamanhos diferentes, dublês de atores e uma quantidade de matemática indutora de dor de cabeça que consome todos na cena. A cena de efeitos visuais mais difícil nos roteiros originais da primeira temporada de Payne e McKay, diz Smith, foi um anão e um elfo andando por um corredor (o cenário da cena foi mudado para um elevador de mina,

Um dos principais focos dos novos episódios será o grande e mau Sauron da série, que foi dito ter retornado à Terra-média, mas aparentemente ainda não apareceu. A versão de Sauron da Segunda Era não é um olho flamejante em uma torre como nos filmes de Anéis , mas aparece em sua “forma justa” como um personagem enganador.

“Seria muito tentador fazer a primeira temporada desta série The Sauron Show, muito centrada em vilões”, diz McKay. “Mas queríamos que esse nível de maldade e complexidade do mal surgisse de um mundo no qual você está investido – não porque o mal o esteja ameaçando imediatamente. Queríamos que você se apaixonasse novamente pela Terra-média. Queríamos que você entendesse e se relacionasse com as lutas que cada um desses personagens está tendo antes de testá-los de uma maneira que nunca foram testadas antes.”

Os fãs especularam ansiosamente que certos personagens podem ser Sauron disfarçado, que é precisamente o tipo de envolvimento que os escritores esperavam ver.

“É outra coisa de Tolkien onde quando uma sombra se espalha – o que é parte do que está acontecendo em nosso show – isso afeta os relacionamentos de todos”, diz Payne. “Até Frodo e Sam. Eles são os melhores amigos em toda a Terra-média, mas eles começaram a desconfiar um do outro porque isso é uma manifestação dessa sombra. Então, ter uma audiência suspeitando que essa pessoa ou aquela pessoa poderia ser Sauron está atraindo-os para aquela coisa onde a sombra está nos superando e nos fazendo desconfiar uns dos outros.”

O Senhor dos Anéis Os Anéis do Poder CORTESIA DE AMAZON STUDIOS

O Senhor dos Anéis Os Anéis do Poder CORTESIA DE AMAZON STUDIOS

Agora que a produção encontrou seu passo pós-pandemia, novos episódios provavelmente serão produzidos consideravelmente mais rápido que o lote de estreia. Ainda assim, McKay observa que eles esperam trabalhar na segunda temporada por “mais alguns anos”. A primeira temporada acumulou uma fatura de US $ 700 milhões (incluindo os direitos), e as temporadas adicionais devem custar consideravelmente menos.

Dado que o plano mestre de seu show é sobre os anéis corrompendo gradualmente a liderança de homens, elfos e anões, eu me pergunto brevemente se o enredo corre o risco de tornar sua saga um pouco chata, pois toda a terra cai na escravidão e no caos.

“Esse é o molho secreto de Tolkien ali mesmo,” explica Payne, inclinando-se para frente. “Quanto mais sombrias as coisas ficam, mais esses pontos de luz têm um contraste para refletir. Isso é o que é bonito em Tolkien. Mesmo em momentos de completo desespero, você pode fazer dois halflings olharem um para o outro e dizerem: ‘Estou feliz por você estar aqui comigo.’”

Os showrunners começam todos os dias na sala dos roteiristas com uma citação de Tolkien. À medida que avançam e tentam elevar o nível de suas séries em meio a grandes expectativas, há uma que parece apropriada. Acontece que é a mesma citação que Payne recita quando perguntado qual é o seu favorito.

“Eles passaram em pensamento para regiões onde dor e prazer fluem juntos e as lágrimas são o próprio vinho da bem-aventurança”, diz ele.

Que significa?

“É a ideia de que eventualmente a tristeza pode se tornar parte da alegria”, diz ele. “Porque você passou por tanta dor, e agora você está do outro lado dela.”

Esta história apareceu pela primeira vez na edição de 5 de outubro da revista The Hollywood Reporter.

Você pode acessar a materia na integra direto do site hollywoodreporter.

Deixe seu comentário