O filme A Piada Mortal da DC perdeu totalmente o foco

Os fãs ficaram emocionados ao finalmente ver a Piada Mortal em um filme de animação, mas alguns não ficaram nada entusiasmados com os resultados.

O filme A Piada Mortal da DC perdeu totalmente o foco, A Piada Mortal é uma história em quadrinhos popular e extremamente polêmica do Batman escrita pelo lendário Alan Moore. É uma das histórias mais reconhecidas da lista de pendências do Caped Crusader, ilustrando um impressionante poder de permanência que poucas histórias experimentam. Embora grande parte da intenção por trás da história tenha sido propositalmente ambígua, as teorias dos fãs mais ou menos quebraram o contexto ao longo dos anos. O que os fãs obtêm quando abrem a história em quadrinhos é um dos contos mais angustiantes do Batman, apresentando uma versão verdadeiramente assustadora do Coringa e mais do que algumas reviravoltas que não seriam encontradas na maioria das histórias estreladas pelo Cavaleiro das Trevas.

Quando o estúdio de animação da DC anunciou uma adaptação de A Piada Mortal com Kevin Conroy e Mark Hamill retornando aos seus papéis icônicos, nada menos os fãs aguardavam ansiosamente outra adaptação fiel nos moldes de The Dark Knight Returns, Year One ou The Long Halloween. Afinal, a DC Animation tem um ótimo histórico tanto com histórias originais quanto com adaptações de quadrinhos clássicos. O que os espectadores receberam, no entanto, foi um filme que errou de forma tão espetacular o objetivo dos quadrinhos que estava adaptando e uma das decepções mais notáveis ​​da memória recente.

Quer alguém concorde com a teoria de que o final de A Piada Mortal mostra Batman quebrando o pescoço do Coringa nos painéis finais ou não, a piada que faz Batman cair na gargalhada é de fato a “piada mortal”, independentemente ponto de ruptura algo que ainda era bastante incomum no lançamento da história em 1988. Além de ser uma origem do Coringa, toda a história é, em última análise, uma série de crimes hediondos cometidos pelo Coringa para quebrar o Batman em sua essência.

O Coringa desfila por Gotham, deixando a morte e o caos em seu rastro. Batman deve usar todos os truques que esconde na manga para rastrear e lidar com o Coringa – tudo isso enquanto o Príncipe Palhaço do Crime desgasta todos os seus nervos. Eventualmente, Batman vence o Coringa em uma das cenas mais memoráveis ​​da longa história do Batman. O Coringa deveria ficar em frangalhos depois de finalmente ter sido pego por seu rival em vez disso, o Coringa conta mais uma piada.

Essa piada mata Batman metaforicamente, no sentido de que finalmente o faz desabar e explodir. Toda a tensão que o Coringa causou na história e em toda a carreira do Batman finalmente alcança o Caped Crusader. Achando impossível se conter por mais tempo, Batman literalmente cai na loucura, que se revela por meio de risadas perturbadas.

O resultado é um momento que muitos fãs acreditam que mostra Batman finalmente matando o Coringa com as próprias mãos. Isso não foi confirmado, mas a ambiguidade só torna a história mais fascinante. No filme, porém, esta cena é retratada como um momento saudável de risadas legítimas e fugazes entre dois inimigos de longa data. Acontece muito mais quando Batman finalmente dá o que merece ao Palhaço, rindo genuinamente de uma de suas piadas, em oposição ao que esses momentos finais estavam transmitindo nos quadrinhos. Ele deturpa completamente o material original e fornece um final muito menos satisfatório para A Piada Mortal.

Em um momento que há muito tempo é alvo de críticas ao quadrinho original de A Piada Mortal, Palhaço atira e paralisa Barbara Gordon também conhecida como Batgirl em sua tentativa de quebrar o Batman. Isso é um sucesso, como pode ser visto durante o ataque de risada mencionado acima, que Batman se vê incapaz de suprimir nos momentos finais da história. Embora a mutilação de Batgirl seja apenas mais um exemplo de uma personagem feminina sendo vitimada a serviço da trama do herói masculino, os quadrinhos pelo menos entenderam que a natureza platônica do relacionamento de Batman com Batgirl seria suficiente para ajudar a empurrá-lo em direção a esse ponto de ruptura inevitável, afinal, os amigos se preocupam profundamente com os amigos.

O filme de animação, no entanto, tomou a estranha decisão de acrescentar uma sequência inteira de prólogo que revelou ao público que Batman e Batgirl estavam envolvidos em um relacionamento sexual. Isso sugere que a tragédia de Batgirl mais tarde na história só tem tanto impacto para Batman porque ela é sua amante, não apenas porque é sua amiga. Isso perde completamente o objetivo do relacionamento deles, pois existia não apenas nos quadrinhos da Piada Mortal, mas nos quadrinhos do Batman como um todo. A batida da trama também faz com que o conceito geral de uma “Família de Morcegos” pareça muito menos virtuoso no longo prazo.

No final das contas, a adaptação animada de A Piada Mortal parece apenas uma das mil histórias do Batman/Coringa, em oposição à origem quintessencial do Coringa que os quadrinhos buscavam. No que deveria ser tratado como uma das histórias mais importantes da mitologia do Batman, o filme parecia um exemplo extenso de um episódio menor de Batman: The Animated Series. Deixando de lado as decisões questionáveis, o filme simplesmente não trata a história com o peso com que Alan Moore a escreveu originalmente. Existem histórias muito mais importantes para apresentar o Coringa no mundo animado, como Under the Red Hood ou mesmo The Mask of the Phantasm, de 1993. Para os fãs do Batman, é uma pena que A Piada Mortal não tenha correspondido às expectativas.

Quer alguém seja fã da história original ou não e nos últimos anos, até o escritor Alan Moore expressou arrependimento pela história não há como negar que havia um contexto no material de origem que simplesmente estava faltando na adaptação. Apesar da linda animação e da habitual dublagem de alto nível, o filme falhou em quase todos os outros níveis.  O filme A piada mortal não pode ser considerado um fracasso completo. Apesar do conteúdo em si, a animação entregou aos fãs do Batman mais uma atuação de Kevin Conroy antes do falecimento do ator em 2022. Saber que nunca haverá outra nova atuação de Conroy como Batman permite que os espectadores apreciem A Piada Mortal um pouco mais. Caso contrário, o filme oferece muito pouco em termos de qualidades redentoras que os fãs do Batman ainda não conseguem obter ao ler a história em quadrinhos.

 

Fonte: CBR

Deixe seu comentário