Mortal Kombat 1 dá um toque trágico a um vilão

A reinicialização de Mortal Kombat 1 fez um grande retcon para um vilão sanguinário favorito dos fãs, provocando uma história mais humana e simpática por vir.

Mortal Kombat 1 dá um toque trágico a um vilão, na inteligente e brutal franquia Mortal Kombat, Baraka é sem dúvida um dos vilões mais icônicos, mesmo não tendo a pompa do chefão final como Shao Kahn ou Shang Tsung. Os fãs, no entanto, adoraram seu design e mentalidade obstinada ao longo dos anos.

Dadas as lâminas nas mãos de Baraka, como ele é rápido como lutador e como seus combos são fáceis de executar, é compreensível por que ele é tão popular. Curiosamente, com Mortal Kombat 1 reiniciando toda a série, Baraka agora tem uma história de fundo muito diferente que lhe dá uma reviravolta trágica que deixará os leais esperando que Baraka corte seus inimigos em pedaços em sua nova missão.

Inicialmente, Mortal Kombat II retratava Baraka como um dos generais de Shao Kahn. À medida que a franquia evoluía, dizia-se que ele fazia parte de um grupo de mutantes conhecidos como Tarkatans. Eles eram híbridos: parte demônios do Netherworld, parte Outworlders.

Mas isso logo foi refeito, com seu clã sendo refinado enquanto as pessoas escravizadas por Shao Kahn. O exaltado Imperador anexou sua região, atraindo a espécie para se tornarem seus cães de guerra algo que Baraka desfrutou completamente com o tempo. MK1 dá a Baraka mais agência e propósito, fazendo com que ele deixe de ser um comedor de carne sedento de sangue.

O trailer de Umgadi confirma que Baraka e seu povo contraíram a praga Tarkat, que sofre mutação e os transforma em monstros sedentos de sangue. Acrescenta nuances à sua tribo, tornando-os mais do que apenas canibais que estavam fortemente armados na batalha. Mais informações da equipe de Ed Boon confirmam que Baraka era um comerciante que foi exilado após adoecer, juntando-se a outros que estavam aflitos.

Isso provoca a união de outras pessoas quando Baraka se torna um lutador pela liberdade que deseja ajudar a criar uma vida melhor para eles. Infelizmente, o trailer também mostra o povo de Baraka sendo experimentado, já que os Umgadi buscam uma cura para Mileena depois que ela também contrai a doença.

O clipe prenuncia a virada monstruosa de Mileena, tornando a espécie de Baraka literalmente vital para sua sobrevivência. No entanto, ele não vai gostar de como seu povo e quem mais eles encontrarem em busca de refúgio está sendo usado como cobaia. Isso dá a Baraka um chamado superior e o pinta como um campeão necessário em uma época de opressão, xenofobia e ódio.

O novo mundo criado pelo Deus do Fogo em Liu Kang é definitivamente novo. Ter Mileena passando de um clone mutante de Kitana para uma vítima das circunstâncias é bastante interessante. Isso a molda como alguém por quem sentir, mas também alguém que os fãs não vão gostar de ver o benefício da morte de inocentes. Essa dualidade afetará a humanidade interna e o monstro reprimido esperando para ser libertado.

Coincidentemente, essa foi uma grande parte do relacionamento anterior de Baraka e Mileena. As iterações anteriores tinham Baraka como consorte de Mileena, seguindo suas ordens cegamente. Agora, porém, esse romance acabou, pois Mileena tem um romance com Tanya. Isso desfaz ela e Baraka serem assassinos e amantes ligados pelo sangue. Dito isso, ainda há uma chance de Mileena ser banida ou fugir quando seu povo descobrir que ela está infectada. Isso pode levá-los a ter uma amizade mais profunda no futuro.

Dessa forma, Baraka pode não ser capaz de salvá-la fisicamente quando ela deixar a corte real, mas pode ser capaz de curá-la mentalmente. Ironicamente, remixaria como Liu Kang e Kitana encontraram almas gêmeas um no outro, jurando proteger todos os reinos. No final das contas, Baraka e Mileena podem acabar com uma missão menor, protegendo os párias do sofrimento. No processo, pelo menos Baraka acabaria se tornando o herói que ninguém jamais previu, deixando os jogadores agradavelmente inseguros sobre o que esperar de Mortal Kombat 1.

 

Fonte: CBR

Deixe seu comentário