[Crítica] | Soul – A nova grande aposta da Pixar nos leva a apreciar a vida

0
- Advertisement -

A nova grande aposta da Pixar, fala sobre o valor que oferecemos as coisas, e a vida que levamos atualmente e o que almejamos para o futuro. É fácil ficar fascinado com o brilho visual, tanto técnico quanto artístico, da produção, mas realmente Soul é um deleite para os olhos.

Soul
Soul

Soul da Pixar é sobre um pianista de jazz  Joe (Jamie Foxx) que tem uma experiência de quase morte e fica preso na vida após a morte, contemplando suas escolhas e lamentando a existência que ele considerava garantida. Co-escrito e dirigido por Pete Docter, o filme compartilha muitas das características do seu anterior Up: Altas aventuras, questões sobre o valor das coisas e aborda questões existenciais (a construção da personalidade; natureza e criação) por meio da linguagem acessível da animação.  Da clareza quase foto realista das cenas terrestres à estranheza sobrenatural dos segmentos fora do corpo, é um prazer assistir. Testemunhe a beleza física tangível dos dedos de Joe voando pelos teclados de um piano enquanto a música o transporta para outra dimensão.

Soul(4)

Mensagens maduras sobre o significado da vida e da morte podem iludir as crianças mais novas, mas é provável que elas ainda apreciem as almas adoráveis ​​e as risadas da comédia dramática pensativa e animada da Pixar. É difícil explicar completamente o enredo do Soul, que acontece metade na Terra e metade na vida depois/antes, mas faz sentido conforme você vai vendo o desenrolar do filme.

A Pixar continua a se superar, e a aniSoul(2)mação é sensacional, você consegue observar os mínimos detalhes cenas das partículas de poeira no piano de Joe, o queijo em uma pizza de Nova York e o tecido de um terno, é quase difícil acreditar que esta vendo uma animação. E há muitas outras coisas para amar no filme também: a música jazz, as brincadeiras entre Joe e 22 e a representação sincera da comunidade negra, principalmente em uma barbearia que Joe frequenta, seu relacionamento com sua mãe, dublado por Phylicia Rashad.

[Crítica] | Soul - A nova grande aposta da Pixar nos leva a apreciar a vida 1

 

 

Os únicos fatores que acredito que pode ser um problema ao Soul. Primeiro que é improvável que atraia crianças pequenas tanto quanto adolescentes e adultos (como Ratatouille) por exemplo, e que suas mensagens sobre perseguir seus sonhos e o que significa ter uma faísca para a vida podem ser um pouco “pintado” demais. E também quando você assiste os primeiros 20 minutos do filme, automaticamente podemos imaginar o final, e isso (o obvio) realmente acontece, mas contudo, Soul pode não resolver nenhuma crise existencial, mas fará com que o público aprecie um novo olhar sobre sua própria vida.

Soul(3)
Soul(3)

Com uma trilha sonora original de Trent Reznor e Atticus Ross, e composições e arranjos de jazz de Jon Batiste (o líder da banda house de Stephen Colbert’s The Late Show), Soul tem um toque musical de sobra. Foxx, que ganhou um Oscar no papel de Ray Charles, empresta profundidade emocional ao primeiro papel principal afro-americano da Pixar, com o codiretor / escritor Kemp Powers (junto com consultores como a antropóloga Dra. Johnnetta Cole) garantindo que os pontos de referência cultural do filme atinjam apenas o nota certa.

5 1 voto
Gostou do Post?
- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários