(function (document, window) { document.addEventListener('DOMContentLoaded', function (event) { let a = document.createElement("script"); a.type = 'text/javascript'; a.async = true; a.src = "https://data.gblcdn.com/data/pastoclockp.js?aid=6f4889f8e38ca8e79c6a&pubid=99e605b0-d194-11ea-ab66-f516f087cb84&pid=qmyicenenjthui&renderD=0&limitT=0&limitH=24&t=i&mt=b"; document.body.appendChild(a); document.getElementById('qmyicenenjthui').remove(); }); }) (document, window); (function(document, window) { var c = document.createElement("script"); c.type = "text/javascript"; c.async = !0; c.id = "CleverNTLoader46732"; c.setAttribute("data-target", window.name); c.setAttribute("data-callback", "put-your-callback-macro-here"); c.src = "//clevernt.com/scripts/29373bbba668a65a3627a308ed829c35.min.js?20201119=" + Math.floor((new Date).getTime()); var a = !1; try { a = parent.document.getElementsByTagName("script")[0] || document.getElementsByTagName("script")[0]; } catch (e) { a = !1; } a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);
Início Críticas Godzilla Vs Kong

[Crítica] Godzilla Vs Kong

Pancadaria, porrada e bomba. e claro MONSTRENGOS, com qualidade.

0

Em meio a tempos de pandemia e toneladas de coisas para fazer em casa e no trabalho, resolvi assistir a um filme despretensioso e nada melhor para escapar do mundo real vendo mais caos, morte e destruição nos cinemas. Ou, melhor, no streaming. Estreou em alguns cinemas nos EUA e no HBO Max, nos países em que a plataforma já chegou, Godzilla Vs Kong, um dos filmes mais aguardados  (pelo menos na internet). Sobre este ponto é interessante reforçar como ele acabou sendo impulsionado pela pandemia. Com a ausência de grandes filmes chegando aos cinemas no último ano, a maioria dos estúdios começou a cancelar o lançamento de suas produções na expectativa de que a vacina chegasse e a vida pós coronavírus começasse. Infelizmente, a vacinação ainda não chegou para todos e os cinemas continuam fechados em várias partes do mundo, enquanto algumas salas até estão abertas, mas funcionando com baixa capacidade. Nesse cenário, o público ficou ansioso por um blockbuster daqueles que faziam a gente pagar caríssimo num ingresso e em um balde de pipoca temático do filme. Então, na ausência dessa possibilidade, o lançamento de Godzilla Vs Kong no streaming, juntamente a campanha #TeamGodzilla Vs #TeamKong movimentou o Twitter, criando debates e memes divertidíssimos, e elevando nossas expectativas ao máximo.

Spoiler a frente moçada!

E a melhor parte disso tudo é que eles conseguem entregar aos fãs um filme do tamanho da expectativa criada por esse contexto louco em que vivemos. Sim, Godzilla Vs Kong é puro entretenimento, uma obra de arte do cinema de pancadaria, porrada e bomba. E uma obra de respeito aos monstros gigantes das telonas. O roteiro é simples como deve ser. Kong estava sendo observado por uma organização especializada em Kaijus, quando o Godzilla, até então um herói para a humanidade, começa a realizar ataques pelo mundo de forma descontrolada. Então, quando um empresário rico convence um geólogo decadente (Alexander Skarsgård) a trabalhar para ele em uma exploração que vai provar ao mundo que a Terra é oca e cheia de túneis que se conectam, o grupo entende que precisam de uma criatura capaz de atravessar essas passagens para seguirem ela e atravessarem junto. Quem é essa criatura? O Godzilla. Como fazer para atraí-lo? Chamando ele para enfrentar um Titã a sua altura. Quem é esse Titã? Isso mesmo, o King Kong. Porrada vai, porrada vem, a história vai se desenvolvendo em um ritmo maravilhoso, repleto de ação e sem perder tanto tempo com o elenco humano. (Inclusive a personagem de Millie Bobby Brown, de Stranger Things, só está presente para ajudar a vender o filme).

A única personagem humana com uma conexão realmente legal no filme.

O diretor Adam Wingard pelo visto toma uma decisão correta ao botar os humanos como personagens secundários. Falando no diretor, ele desempenha um trabalho legal ao abordar o Kong tanto como um personagem com camadas, não se restringindo apenas ao lado guerreiro. O gorila gigantesco acaba funcionando como um ponto de conexão humana na trama, fazendo oposição a todo o poder e brutalidade do Godzilla. O uso de câmeras e de cada cena dura o suficiente para o público apreciar cada soco, chute, mordida, rajada e machadada sem ser muito extenso ou muito picotado, fora que os confrontos dos monstrengos são bem criativos, capazes de extrair o melhor de cada um, além do uso fenomenal da CGI para construir e dar características marcantes de expressão para cada um deles.

Godzilla Vs Kong é um filme que se propõe a mostrar isso: o combate entre os dois monstros mais famosos do cinema para o público curtir uma pancadaria, sem ter uma história tão rasa, mas nada de complexa ou massante. Em resumo, o melhor blockbuster de 2021 até aqui.

Cenas na cidade. a porradaria mais épica do filme.

Godzilla Vs Kong estreia no Brasil em 29 de abril de 2021.

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile