Análise de Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin

Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin visa combinar uma experiência de ação semelhante a Souls com mecânicas clássicas de RPG em um cenário nostálgico.

0
Análise de Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin
Análise de Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin
- Advertisement -

Já se passaram cerca de 35 anos desde que o Final Fantasy original foi lançado e os fãs da franquia de RPG poderão retornar a Cornelia mais uma vez graças a Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin. O spin-off da franquia principal Final Fantasy rompe com o formato usual de RPG e oferece aos jogadores uma experiência de jogo de ação desafiadora combinada com um novo visual em um dos locais e vilões mais emblemáticos da série.

SOPFFO coloca os jogadores no controle de Jack, o líder de um bando de heróis que estão todos ligados por sua obsessão em caçar e matar o Caos (um objetivo que gerou muitos memes do Caos quando o primeiro trailer de anúncio foi lançado). A história está cheia de personagens e locais que os fãs obstinados do Final Fantasy original certamente reconhecerão. Muitos NPCs amigáveis ​​e não tão amigáveis ​​refletem personagens do lançamento original. Dito isso, a história do jogo é totalmente independente e ainda deve fazer sentido (tanto quanto um jogo de Final Fantasy já faz) para novos públicos também.

Em termos de jogabilidade, a combinação de elementos de RPG, como atualizar o loot e trabalhar em uma série de árvores de talentos (uma para cada Job) com combate difícil como Souls e exploração sem mapa, cria um loop de jogabilidade bastante interessante e emocionante. Os jogadores não precisam se comprometer com um Job (a versão Final Fantasy das classes) e podem alternar livremente entre cada um dos Jobs a qualquer momento durante uma masmorra. Durante o combate ativo, os jogadores têm dois Serviços equipados e podem alternar entre eles com um único clique. O emparelhamento de trabalho duplo faz algumas escolhas de estratégia interessantes (especialmente nos níveis de dificuldade mais difíceis), pois os jogadores tentam otimizar seu grupo para cada chefe.

Para aqueles que estão assustados com a ideia de um combate de ação desafiador, deve-se notar que o jogo inclui três níveis de dificuldade para a primeira jogada, incluindo um Story Mode que basicamente transforma o combate estratégico em um hack and slash bastante direto. Os jogadores no Story Mode ainda precisam ficar de olho em sua saúde e usar poções com sabedoria, mas não é tão importante dominar aparar e combater inimigos com fraquezas ideais e estratégias de luta. O modo Ação e o modo Difícil, por outro lado, realmente trazem o calor e oferecem uma linha de lutas seriamente desafiadora. Existem monstros seriamente mortais em cada esquina e as lutas contra chefes multifásicos no final de cada nível exigem prática cuidadosa, tempo e estratégia para ter sucesso. O jogo também inclui cooperação de três jogadores para permitir que os jogadores se unam e trabalhem juntos nas missões principais e secundárias do jogo. No lançamento, o crossplay é limitado a famílias de console.

Exploração e construção de mundos em Final Fantasy Origin são um pouco confusos. Os jogadores são transportados entre os principais locais da missão linearmente através de um mapa-múndi de visão geral. Há uma chance totalmente opcional de interagir com NPCs em cada local através de uma opção “Talk” no mapa do mundo, mas além disso, não há realmente uma maneira de explorar a tradição ou sabor de cada local além de apenas jogar a missão. Deve-se notar também que cada missão pode ser repetida (em qualquer dificuldade) para moer experiência ou itens. Dentro de cada missão não há mapas e os jogadores precisam trabalhar em um labirinto de masmorras cheias de portas escondidas, armadilhas, monstros e tesouros. Nós nos sentimos um pouco desnecessariamente virados e presos procurando a porta ou escada certa, especialmente nos últimos níveis, mas geralmente, o design do nível era saboroso e envolvente, apesar de alguns momentos frustrantes. Usando qualquer um dos pontos de salvamento do jogo – cubos que são o equivalente às fogueiras de Dark Souls – reaparece todos os inimigos do nível e pode tornar a exploração um pouco mais tediosa.

Análise de Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin 1

Jack, seus amigos e a família real de Cornelia são o coração do jogo e há uma tarefa bastante difícil em mãos para criar investimento do jogador neste grande elenco de personagens sem a experiência usual de RPG. Há cenas que começam e encerram cada nível e brincadeiras durante o rastreamento de masmorras, mas no geral teria sido bom ver um pouco mais de desenvolvimento de personagens e construção de relacionamento entre Jack e os outros. O ato final do jogo realmente depende do jogador ter um investimento emocional em Jack e suas conexões com o mundo e alguns desses socos não bateram tão forte quanto poderiam se mais tempo fosse gasto assistindo Jack explorar o mundo com seus amigos fora do perigo das masmorras do jogo.

Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin parece provar que a franquia Final Fantasy pode prosperar na cena de jogos de ação com este primeiro empreendimento de franquia da Team Ninja e Koei Tecmo. O título não é um verdadeiro home run, mas é uma aventura emocionante que expande a tradição da franquia em uma direção única. O sistema Final Fantasy Job é tão interessante e emocionante como sempre e adiciona um toque único no formato do jogo de ação, à medida que os jogadores passam por cada masmorra desafiadora e preenchem todas as árvores de talentos de Jobs uma a uma.

Stranger of Paradise: Final Fantasy Origin será lançado em 18 de março para PC, PlayStation 4, PlayStation 5, Xbox One e Xbox Series X/S. O Game Rant recebeu uma cópia do PS5 para esta análise.

 

Fonte Principal

0 0 votos
Gostou do Post?
- Advertisement -
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários