Agora que o Studio Ghibli está transmitindo na HBO Max

0
Agora que o Studio Ghibli está transmitindo na HBO Max
Agora que o Studio Ghibli está transmitindo na HBO Max

Por décadas, o Studio Ghibli quebrou mofo após mofo o que esperamos que os filmes sejam para as crianças.

A casa de animação japonesa – fundada pelos cineastas Hayao Miyazaki, Isao Takahata e Toshio Suzuki – passou 35 anos contando histórias sinuosas e complexas que ampliam os limites do que a animação pode fazer. Em uma delas, uma traiçoeira batalha entre os humanos e as divindades de uma floresta que luta para manter o equilíbrio da natureza. Outra história coloca feiticeiros uns contra os outros e questiona a ética sobrenatural do uso da magia na guerra. E uma história abre um mundo espiritual transcendente e aterrorizante, em um trabalho anunciado pelos críticos do New York Times como um dos melhores filmes do século XXI.

Mas o Studio Ghibli também, com consistência impecável, alcançou um raro equilíbrio que a maioria dos filmes voltados para a família luta para alcançar. Sem dúvida, esses são filmes infantis – mas eles também têm seguidores leais de fãs adultos, que devoram seus favoritos repetidas vezes.

Agora, 21 dos clássicos do estúdio e favoritos menos conhecidos estão encontrando um novo público via HBO Max, a primeira vez que os filmes foram licenciados para uma plataforma de streaming americana. Mas se você não armazena os DVDs há anos, pode ser difícil navegar por um catálogo tão amplo e abrangente. Esperamos facilitar isso com alguns pontos de partida.

Se você está procurando…

Comece com: “Spirited Away” (2001).

A exibição de 21 desses filmes certamente pode parecer esmagadora. Portanto, se você escolher apenas um, não haverá debate: “Spirited Away”, de Miyazaki, é essencial. A história, sobre uma jovem garota que tropeça em um mundo espiritual sombrio, vai além dos limites imaginativos de quase todos os outros filmes de animação, do Studio Ghibli ou de qualquer outra pessoa. O herói, Chihiro, passa grande parte do conto procurando uma saída – mas, no final, você desejará que ambos possam ficar um pouco mais. Está cheio de criaturas fantásticas, demônios estranhos e uma poderosa feiticeira pairando sobre todos eles. “Spirited Away” é um dos filmes mais emocionantes de Miyazaki, e de longe o mais imersivo.

Depois disso, tente: “Howl’s Moving Castle” (2004).

Há uma bruxa, uma maldição e uma história de amor, mas é aí que as semelhanças entre este filme de Miyazaki e todas as outras histórias de fantasia terminam. A maldição em questão está em Sophie, uma jovem e tímida chapeleira que se transformou em uma mulher débil e idosa. Em sua busca para quebrar o feitiço e voltar ao seu estado normal, ela se junta a uma tropa estranha de personagens – incluindo Howl, um poderoso mago que muda de forma – viajando em uma casa itinerante e punk. Toda a aventura é encantadora, e mesmo que você não esteja com disposição para fantasia, o excelente desempenho de Billy Crystal como o demônio do fogo facilmente irritante da versão em inglês, Calcifer, é motivo suficiente para assistir.

Se você está procurando…

Comece com: “Kiki’s Delivery Service” (1989).

Este filme de Miyazaki tem um dos personagens mais adoráveis ​​(humanos) do Studio Ghibli em seu jovem herói, Kiki – uma bruxa adolescente que sai de casa, como todas as bruxas de sua idade, para concluir seu treinamento mágico em uma nova cidade. Com um rádio vermelho brilhante e um gato preto falante, Jiji, ela inicia um serviço de entrega para aprimorar suas habilidades de vassoura e conhece uma deliciosa variedade de novos amigos pelo caminho. Mesmo com os elementos mágicos, a história é menos excêntrica para os padrões de Ghibli, com menos espíritos vibrantes para digerir. Mas o filme ainda é uma aventura magnífica e animada: a cena de abertura, de Kiki deitada ao sol com o rádio enquanto a grama balança ao vento, é um dos visuais mais impressionantes do estúdio.

Depois disso, tente: “O Mundo Secreto da Arrietdade” (2010).

O mundo secreto titular está por perto: Arrietty não é mais alta que uma folha e sua família igualmente diminuta vive sob as tábuas do chão de uma antiga casa de família. Os Mutuários, como se autodenominam – o filme de Hiromasa Yonebayashi é baseado no romance infantil com esse nome – pegam apenas o que precisam dos “feijões” humanos alguns centímetros acima deles, um cubo de açúcar ou tecido de cada vez. Arrietty, aos 14 anos, está impaciente para emprestar suas próprias aventuras, mas o modo de vida de sua família é colocado em risco quando um garoto humano com um olhar aguçado se aproxima. Como o “Serviço de Entrega de Kiki”, o mundo que Yonebayashi constrói é adorável por si só, mas o verdadeiro encanto vem de assistir a inquieta Arrietty se destacar.

Se você está procurando…

Comece com: “My Neighbour Totoro” (1988).

“Totoro” é um dos primeiros filmes de Miyazaki e também um dos seus melhores. A emocionante história se concentra nas irmãs Satsuki e Mei, e nos personagens extraordinários com os quais eles fazem amizade fora de sua nova casa. Ter dois jovens protagonistas (junto com seus enormes e fofos aliados) torna essa uma ótima maneira de apresentar as crianças pequenas ao Studio Ghibli. Mas esteja avisado: este chupará os adultos com a mesma facilidade.

Depois disso, tente: “Ponyo” (2008).

Muito parecido com “My Neighbour Totoro”, este filme colorido e brilhante de Miyazaki se concentra em personagens mais jovens, por isso é outro bom ponto de entrada para as crianças. Ponyo, um pequeno peixe dourado vagamente humanóide, tem uma breve e agradável amizade com um garoto de 5 anos, Sosuke, antes de retornar ao mar. O encontro deixa um impacto, e Ponyo, agora com suas próprias pernas, encontra um caminho de volta para sua amiga, dançando em cima de ondas de peixes enormes em uma sequência impressionante. É uma das obras mais alegres e borbulhantes de Miyazaki e que os adultos acharão igualmente fascinante. (O filme também é repleto de estrelas, incluindo Matt Damon, Cate Blanchett, Tina Fey, Cloris Leachman, Liam Neeson, Lily Tomlin e Betty White.)

Se você está procurando…

Comece com “Princess Mononoke” (1997).

Esta é uma das maiores histórias de Miyazaki – mas pode, como qualquer boa batalha sobrenatural pela alma de uma floresta, ficar um pouco sangrenta. A princesa Mononoke não é um nome, mas uma descrição de San, uma garota humana criada por lobos. Ela e o príncipe guerreiro Ashitaka se envolvem em uma guerra amarga entre os deuses animais da floresta e os humanos usando seus recursos. Este filme é amplamente considerado um dos clássicos essenciais do Studio Ghibli para os meandros de sua história e a excelente animação, mas continua sabendo que é muito mais sombrio que seus outros trabalhos.

Depois disso, tente: “Castle in the Sky” (1986).

Não há momentos lentos em “Castle in the Sky”. A história é emocionante desde o início: embalada apenas nos primeiros minutos, é uma tentativa de sequestro, um ataque de uma equipe de adoráveis ​​piratas no ar e uma garota flutuando magicamente do céu. A partir daí, o filme segue a busca daquela garota, Sheeta, e sua corajosa nova amiga, Pazu, enquanto tentam encontrar um reino levítico mítico escondido nas nuvens. Outra vantagem: Mark Hamill.

Se você está procurando…

Comece com “The Wind Rises” (2013).

Em seus filmes, Miyazaki há muito tempo fascina o vôo, que já se presta bem à animação. “The Wind Rises” se concentra na vida de Jiro Horikoshi – que é tão cativado pela aeronáutica, que sonhava em ser piloto como um menino. Ele cresce para se tornar um engenheiro de aviação de sucesso, e o filme explora o conflito de Jiro, enquanto o Japão usa sua alegria pessoal para fins violentos na Segunda Guerra Mundial. A história é um drama histórico relativamente simples, sem as mágicas e espíritos habituais que caracterizam o melhor trabalho de Miyazaki – mas a animação é inesquecível, com uma cena de terremoto de tirar o fôlego desde o início e belas paisagens de sonhos capturando o turbilhão da imaginação de Jiro.

Depois disso, tente: “When Marnie Was There” (2014).

Este filme de Yonebayashi, uma das adições mais recentes do estúdio, nunca foi um sucesso crítico – em mais de um ponto, a história da maioridade pode parecer inacabada. Mas a animação é sedutora por si só, com cenas à beira-mar reluzentes e personagens que brilham. “Marnie” se concentra na Anna de 12 anos, cujo verão fora de casa vem com uma estranha e nova amizade. Não existem tantos elementos fantásticos que povoam outros clássicos de Ghibli conhecidos por sua arte, mas, para os fãs de animação, vale a pena admirar o visual.

Fonte original

0 0 voto
Gostou do Post?
Subscribe
Notify of
guest
0 Comentários
Comentários em linha
Exibir todos os comentários