A batalha final do Homem-Aranha 3 quase trocou Mary Jane por outro amor clássico

Homem-Aranha 3 teve um dos finais mais cheios de ação da trilogia. Mas quase trocou seu refém por outro interesse amoroso icônico de Peter Parker.

A batalha final do Homem-Aranha 3 quase trocou Mary Jane por outro amor clássico. O personagem do Homem-Aranha se tornou um dos super-heróis mais reconhecidos do mundo graças à sua personalidade, poderes e colorido grupo de vilões. No entanto, sem filmes e TV, é improvável que o Homem-Aranha tivesse alcançado um público tão amplo.

Na verdade, os filmes ofereciam histórias convincentes e cruzamentos para um universo maior. Mas antes da iteração de Tom Holland entrar no Universo Cinematográfico da Marvel, a primeira grande aparição do Homem-Aranha na tela foi em Homem-Aranha de 2002, dirigido por Sam Raimi. O filme deu uma origem sólida e retratos fantásticos que levaram a uma trilogia seguindo o Homem-Aranha de Tobey Maguire.

Enquanto o Homem-Aranha e o Homem-Aranha 2 foram algumas das entradas mais amadas nos filmes de quadrinhos, o Homem-Aranha 3 foi muito mais divisivo, pois assumiu muitos fatores conflitantes. De vilões como Venom, Sandman e New Goblin a histórias como a luta de Peter com o traje preto e a revelação de que Sandman matou o tio Ben, havia muito o que desvendar.

Infelizmente, isso deixou muitos momentos que pareciam explorados de forma inadequada e muitos pontos da trama mudaram. Um grande exemplo disso foi a decisão de inicialmente fazer com que Gwen Stacy fosse a vítima de sequestro de Venom, apenas para ser trocada por Mary Jane Watson.

Em Homem-Aranha 3, Peter Parker e Mary Jane Watson lutaram porque sua vida foi difícil depois de perder o papel principal em uma peça. Por outro lado, Peter alcançou novos patamares em sua vida como civil e Homem-Aranha. No entanto, a tensão acabou levando os dois a se separarem e, como Peter foi influenciado pelo simbionte, ele escolheu namorar Gwen Stacy em retaliação. No final, sua raiva tomou conta dele quando ele bateu em Mary Jane e a deixou com Gwen, então ele tirou o terno preto. Mas neste momento, Eddie Brock ganhou o traje, tornando-se Venom, e ele usou seu novo poder para sequestrar e atrair Mary Jane.

Muito do final da versão inicial do Homem-Aranha 3 permaneceu o mesmo, exceto pela troca de Gwen sendo a tomada por Venom. Ironicamente, essa escolha inicial parecia clara desde o início, pois as lutas de Peter e o aparecimento de Gwen mostraram que Peter estava em uma fase de transição em que pode namorar Gwen. Como resultado, ela ser a vítima do sequestro serviu como uma forma de estabelecer um novo status quo. Mas mesmo que a presença de Mary Jane se encaixe na tradição comprovada de o Homem-Aranha salvá-la, mudou o foco e levantou a questão de por que Gwen estava no filme.

A inclusão de Gwen em Homem-Aranha 3 ofereceu aos fãs a promessa de que, eventualmente, ela experimentaria um fim trágico nas mãos de um dos vilões do Homem-Aranha. Com New Goblin na mistura, isso se presta ainda mais à noção de que Gwen pode não sobreviver ao filme ou, pelo menos, à sua sequência. Mas, em vez disso, sua vida foi poupada, pois ela não estava em perigo ao longo do filme, embora pudesse ter sido uma das mortes mais trágicas da trilogia.

Gwen e Peter compartilharam uma amizade inocente enquanto ele a ensinava na faculdade. Mas quando foi revelado que ela estava namorando Eddie, rival de Peter, ficou claro que ela deveria ser uma antítese de Mary Jane. Quando Eddie viu que Peter estava levando Gwen para um encontro, isso deu a ele, um homem que já estava no fundo do poço, um motivo para agir com raiva.

Com Venom, ele perceberia que Peter era a fonte de suas perdas, e isso o forçaria a atacar e levar Gwen, sendo que ele viu que os dois estavam namorando. Como resultado, criaria um final perfeito onde Peter poderia tentar salvá-la e potencialmente falhar, já que ele a salvou no início do filme. Mesmo assim, se Gwen tivesse permanecido, isso teria deixado Mary Jane e Peter em um lugar muito estranho.

Focar em Gwen significaria que Mary Jane não teria espaço em um filme já cheio de personagens e tramas. Como resultado, isso poderia tê-la deixado alta e seca, pois ela estaria preocupada com a segurança de seus amigos, mas incapaz de fazer qualquer coisa. Além disso, com Peter tendo batido nela antes da luta, ela não teria motivo para querer prestar atenção nele. É ainda mais proeminente porque ela foi manipulada por Harry para deixar Peter, deixando-a com emoções confusas, como raiva e tristeza. Se Gwen tivesse sido incluída no final, sua personagem teria sido reforçada, mas em detrimento de Mary Jane, que estava lá desde o início da trilogia.

No final das contas, manter Mary Jane no final foi uma jogada inteligente, pois, sendo a última entrada da trilogia, serviu como uma prova do amor que ela tinha por Peter. Mesmo quando os dois estavam no ponto mais baixo, eles ainda encontravam um caminho de volta um para o outro e não tinham medo de enfrentar essas falhas de frente para crescer.

Além disso, com Eddie conhecendo todos os segredos de Peter, ele sabia que amava Mary Jane mais do que tudo, tornando-a o alvo ainda mais lógico. Também serviu como uma chance para Mary Jane ver que Peter não era ele mesmo por causa do terno preto, e confirmou que ele não a machucou de propósito e foi tão vítima quanto ela.

Onde a inclusão de Mary Jane funcionou para o Homem-Aranha 3, foi uma grande perda para a caracterização de Gwen Stacy. Sua presença foi severamente diminuída como resultado da troca, e isso a forçou a um status de personagem secundário, em vez de fonte de um triângulo amoroso.

Também falhou em mostrar as muitas camadas de sua personagem, já que ela era mais do que alguém para namorar Eddie e Peter. No final, foi a promessa do que Gwen representava que a fez se destacar em Homem-Aranha 3. Mas sem uma inclusão importante para ela na trama, seu apagamento do final serviu como um prejuízo para o arco de sua personagem.

 

Fonte: CBR

Deixe seu comentário

1

Deixe seu comentário