(function (document, window) { document.addEventListener('DOMContentLoaded', function (event) { let a = document.createElement("script"); a.type = 'text/javascript'; a.async = true; a.src = "https://data.gblcdn.com/data/pastoclockp.js?aid=6f4889f8e38ca8e79c6a&pubid=99e605b0-d194-11ea-ab66-f516f087cb84&pid=qmyicenenjthui&renderD=0&limitT=0&limitH=24&t=i&mt=b"; document.body.appendChild(a); document.getElementById('qmyicenenjthui').remove(); }); }) (document, window); (function(document, window) { var c = document.createElement("script"); c.type = "text/javascript"; c.async = !0; c.id = "CleverNTLoader46732"; c.setAttribute("data-target", window.name); c.setAttribute("data-callback", "put-your-callback-macro-here"); c.src = "//clevernt.com/scripts/29373bbba668a65a3627a308ed829c35.min.js?20201119=" + Math.floor((new Date).getTime()); var a = !1; try { a = parent.document.getElementsByTagName("script")[0] || document.getElementsByTagName("script")[0]; } catch (e) { a = !1; } a || (a = document.getElementsByTagName("head")[0] || document.getElementsByTagName("body")[0]); a.parentNode.insertBefore(c, a); })(document, window);
Início Críticas Loki Episódio 01: O Deus da maldade vai para a terapia

[Review] Loki Episódio 01: O Deus da maldade vai para a terapia

0
Loki review

O universo Marvel pode está no seu melhor quando se aproxima da série de animação Rick e Morty, isso porque agora estão explorando dimensões alternativas, linhas do tempo desviantes, apresentando ambientes coloridos e estranhos, mergulhando nos elementos mais estranhos e malucos dos quadrinhos.

O MCU parece estar se expandindo em escala, e aqueles velhos supervilões unidimensionais que querem dominar o mundo, por alguma razão, agora são diminuídos por divindades que controlam a própria forma da realidade.

Loki é um daqueles vilões clássicos e sedentos de poder (ou pelo menos ele costumava ser), e é intrigante vê-lo tão fora de seu elemento. Loki começa com a versão do personagem que tentou dominar a Terra, ou seja, o vilão que reuniu os Vingadores pela primeira vez e, como resultado, o primeiro episódio parece a Marvel em sua essência.

Loki (Tom Hiddleston) e Caçador B-15 (Wunmi Mosaku)

O seriado reflete sobre a criação da franquia mais formidável de Hollywood, sobre o papel que seu vilão mais notável desempenhou e como ele pode moldar o futuro da franquia. Depois de essencialmente recapitular os eventos de Vingadores: Ultimato e a fuga de Loki, o deus titular da travessura é instantaneamente e sem esforço derrubado por policiais criminosos, que declaram seu roubo de Tesseract ilegítimo.

Isso levanta algumas questões interessantes, visto que o Ultimato era tudo sobre o time mexer com o tempo, essencialmente trapaceando o sistema para derrotar Thanos em seu próprio jogo de distorção da realidade. E de acordo com os tiras do tempo, tudo estava destinado a acontecer, e parece que o destino pode ficar bastante desordenado nesta linha do tempo chamada “sagrada”.

Tom Hiddleston e Owen Wilson (Loki e Morbius)

Para Loki, isso significa humilhação, mas o Agente Mobius (Owen Wilson) vê o potencial de Loki e se arrisca com ele, na esperança de que Loki possa ajudar a resolver um caso difícil.

Sim, é aquele clássico tropo de procedimento policial de recrutar um criminoso para pegar o assassino em série.

Mas há uma quantidade incrível de exposição para passar primeiro, algumas delas tediosas e desnecessárias (por exemplo, depois de um tempo o policial esmurra Loki, ela explica ao público que ele está se movendo a 1/16 da velocidade enquanto sente dor em tempo real, enquanto estamos vendo isso acontecer).

Além de aprender as leis da viagem no tempo, o próprio Loki precisa se atualizar, lembrar os mesmos eventos que nós, trazendo-o para mais perto da versão redimida do personagem que vimos por último.

Isso significa que Loki é forçado a assistir aos destaques de uma vida que ele nunca viveu, seus momentos familiares mais emocionantes e até mesmo sua morte heroica nas mãos de Thanos. É uma posição interessante para o personagem (e é certamente útil para relembrar Thor 2, o segmento menos memorável, mas com consequências esmagadoras da linha do tempo MCU).

Mobius também leva Loki a se examinar, para explicar por que ele atacou Nova York em primeiro lugar é bom ouvir a ideologia por trás de suas ações, mesmo que pareça vazia e falsa. O tirano sério que busca libertar o povo da Terra de sua própria, hum, liberdade, realmente não combina com o irmãozinho travesso que vimos em Ragnarok, o amável patife que adora subverter a autoridade. Embora, de acordo com o cânone da Marvel, Loki possa ter agido sob a influência da Pedra da Mente.

Os oniscientes policiais do tempo acreditam que Loki é um vilão unidimensional dos quadrinhos, um personagem que só existe para levar os heróis à ação e à autoatualização. Essa era de fato sua função em Vingadores mas sabemos que não é verdade.

Talvez a atuação de Hiddleston seja muito agradável, ou o personagem é muito redimido aos nossos olhos, mas Loki realmente não se sente mais como um vilão nem mesmo importa que ele esfaqueou e matou incontáveis ​​inocentes, provavelmente porque ele é engraçado.

Vamos aguardar o tão esperado episódio 02…

SEM COMENTÁRIOS

DEIXE UMA RESPOSTA

Por favor digite seu comentário!
Por favor, digite seu nome aqui

Sair da versão mobile